Pular para o conteúdo principal

O Curioso Jardim dos Venenos do Alnwick Garden.....















Interessante observarmos como são muitas as possibilidades que se abrem ao simples clicar do mouse: diferentes "paisagens", diversificadas culturas e suas idiossincrasias, pessoas e lugares tão distintos ou desconhecidos ao redor do planeta, ou apenas a simplicidade de um imagem ou som que nos emocione. Em uma dessas viagens tão especiais quanto virtuais, conhecí o inusitado "Jardim dos venenos" ou o "Jardim Venenoso", para o deleite dos botânicos, paisagistas ou simplesmente curiosos de plantão.
O Alnwick Garden , localizado em Northumberland na Inglaterra é um parque que tem diversos e maravilhosos jardins, uma estrutura arquitetônica verde criada pelos paisagistas belgos Jacques e Peter Wirtz, com enorme variedade de plantas e árvores onde os visitantes podem brincar em labirintos de bambu e se molhar nos jatos da Grand cascade, conforme o desejo de sua proprietária, a Duquesa de Northumberland que imaginou criar um jardim para as pessoas interagirem e apreciarem os espaços verdes , suas cores, aromas e sensações.
Além de espaço público, possui programas de voluntariado como convite a participação da comunidade na manutenção e ampliação das diversas áreas do parque, afinal somente com a apropriação efetiva pela população é que o espaço ou local se torna público e desfrutável.
O “The Poison Garden” é um dos mais conhecidos jardins do parque Alnwick Garden, ao atravessar o austero e assustador portão do Jardim venenoso de Alnwick, encontraremos mais de 100 espécies de plantas venenosas e narcóticas de todo o mundo.
O Alnwick Garden têm licença especial para cultivo de algumas plantas existentes no “Jardim Venenoso” como a maconha (cannabis sativa), coca (erythroxylum coca), o tabaco (nicotiana tabacum) que estão locadas atrás de grades em gigantescas gaiolas e, outras plantas venenosas e mortais famosas como a Mandragora (Mandragora officinarum) citada por Shakespeare em Romeu e Julieta e em filmes como Harry Potter e o Labirinto do Fauno; Noz-vômica (Strychnos nux-vomica); e ainda a Cicuta (Conium maculatum) plantada nos limites do The Poison Garden, que foi usada na histórica execução de Sócrates, um dos ícones da filosofia ocidental.
As visitas são monitoradas por guias especializados que discorrem sobre mitos e lendas, fatos cientifícos e históricos sobre a natureza mortal de algumas plantas, tendo o público visitante a oportunidade de aprender sobre o efeito das drogas em um ambiente informal. A segurança rígida é atenta 24 horas, de forma a evitar acidentes já que algumas plantas são tão tóxicas que podem causar a morte ao simples toque na pele.

...ampliando os horizontes, interessante de conhecer, mais ainda de aprender...

Liane Martins
Arquiteta paisagista
MC3 paisagismo
Fotos e informações site oficial: www.alnwickgarden.com

Fonte:http://www.paisagismodigital.com/noticias/?id=O-Curioso-Jardim-dos-Venenos-do-Alnwick-Garden?in=187

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…