sábado, 28 de maio de 2011

Magnólia - Branca (Magnolia x soulangeana "Alba superba").

No Inverno, esta arvoreta apresenta uma exuberante florada, com a planta totalmente desprovida de folhas. As flores são grandes, brancas e perfumadas, em forma de tulipa. Pode ser cultivada como arbustoe , quando adulta, alcança de 5M de altura. Típica de clima temperado, vai bem em locais de clima temperado quente e subtropical serrano. A reprodução é por alporquia ou enxertia.



FONTE: Paisagismo para Pequenos Espaços; Ed: Europa; Página:77; Ano: 2010.

Budleia ou ( Buddleia davidii).






A espécie é muito cultivada  para cobrir caramanchões ou formar renques, adaptando -se sob sol pleno ou meia-sombra, Suas inflorescências cilíndricas nascem na ponta dos ramos, são muito perfumadas e compostas por pequenas flores lilases, arroxeadas ou brancas.
Geralmente, surgem na primavera e no verão. Nativa da China, a budleia é típica de clima temperado, mas tolera o subtropical de altitude. Precisa de solo arenoargiloso acrescido de matéria orgânica a se reproduz por estaquia.

Fonte: Revista Natureza; Ed: 274; Fevereiro de 2010; Página:08; Ed: Europa.

Papel de Parede ...

terça-feira, 24 de maio de 2011

Serissa.






Nome Científico: Serissa foetida


Sinonímia: Serissa japonica

Nome Popular: Serissa, Árvore-das-mil-estrelas, Mil-estrelas

Família: Rubiaceae

Divisão: Angiospermae

Origem: Ásia

Ciclo de Vida: Perene

A serissa é um pequeno arbusto, de folhas perenes e abundante floração. É muito ramificada e de crescimento compacto, sendo ideal para a formação de bonsai. Suas folhas são bem pequenas, brilhantes e de cor verde na espécie típica. Ocorrem ainda formas "Variegatas", com folhas de margens cor branco, creme e amarelas. A floração ocorre na primavera e verão, despontando numerosas flores miúdas, de cor branca a rosa, de acordo com a cultivar. As flores tem o formato de estrela, o que lhe rendeu o nome popular de "Mil-estrelas".

No jardim a serissa pode se conduzida como arbusto topiado, podendo ser utilizado isolado, em conjunto com outras plantas, ou em grupos, para delimitar caminhos em bordaduras ou na formação de sebes baixas. Pode ser plantada em vasos e jardineiras, sendo muito utilizada assim para bonsai. É uma planta muito rústica e sua manutenção é baixa, exigindo apenas pouca adubação e podas de formação após a floração. Curiosidade: Os ramos e raízes da serissa, quando manuseados e cortados, exalam um cheiro fétido, nauseabundo.

Deve ser cultivada sob meia sombra ou luz difusa, em solo fértil, bem drenável e irrigado a intervalos regulares. Para uma intensa floração necessita de sol direto, mas precisa ser protegida nas horas mais quentes do dia, principalmente no verão. Aprecia umidade ambiental, mas não tolera encharcamentos. Tolerante ao frio subtropical e podas drásticas. Não gosta de ser mudada de ambiente. Em situações de estresse, como mudanças e frio intenso, pode amarelar e perder as folhas, mas é capaz de rebrotar. Multiplica-se facilmente por estacas de ponteiro ou semilenhosas, postas para enraizar na primavera. É possível enraizar estacas em copos com água.

FONTE:http://www.jardineiro.net/br/index.php

terça-feira, 17 de maio de 2011

Jacarandá - Mimoso.






Embora seja uma especie típica da Argentina, Bolivia e Paraguai, o jacarandá - mimoso(Jacaranda mimosifolia) é cultivado em muitas partes do mundo. Primeiro , porque é uma árvore rústica que suporta tanto clima subtropical quanto tropical ameno. Depois, devido a exuberância de sua intensa florada. Grandes em forma de sino e azul - violeta, as flores surgem em grande quantidade na primavera e inicio do verão, em geral quando a copa está desprovida de folhas. O espetáculo, pode ser apreciado de longe, já que a espécie atinge até 15m de altura. " Por isso, é muito utlizada no paisagismo de grandes parques e grandes jardins, e também na arborização de ruas largas e grandes avenidas" diz o engenheiro agrônomo Ronan Pereira Machado.
Quando não está florido, o jacarandá-mimoso apresenta uma copa de aparência delicada , formada por poucos ramos longos e folhas de cerca de 40 cm de comprimento, compostas por inúmeros folíolos - folhas diminutas - verde -claros. Seu tronco apresenta uma casca grossa e pardo- acinzentada, que se desprende  em lascas retangulares.
"Por apresentar crescimento rápido - em dois anos atinge até 3m de altura - é indicado tutorar a muda, pois seu tronco entorta com facilidade", aconselha o profissional.

FONTE: Revista Natureza, ed;266, Pág:25, Ed: Europa.

domingo, 15 de maio de 2011

Bico - de - Papagaio Amarelo ( Lotus maculatus "Gold Flash")




Essa semi - herbácea pendente tem valor ornamental não só pelas flores amarelo - alaranjadas com pontas vermelhas - que lembram um bico de um papagaio. Ela também é conhecida pelas folhas semelhantes a agulhas, acinzentatadas e densas. Nativa das Ilhas Canárias, próximo ao Marrocos, a planta é típica de clima subtropical e muito cultivada em vasos e jardineiras suspensas, onde seus ramos atingem até 50 cm. Precisa de solo rico em matéria orgânica e úmido.

Fonte: Revista Natureza; Ed: 277, Fevereiro de 2011, Ed Europa, Pág: 11.

domingo, 8 de maio de 2011

Feliz Dia das Mães.




Olá, blogueiras tudo bem ?
Um Feliz Dia das Mães, a todas as mães essa pessoas maravilhosas, que antes de ter um filho ja sofrem, com nove meses de gestação, com dores, com a mudança do corpo, com vários problemas, com trabalho dentro de casa, fora de casa e ainda arranjam tempo para cuidar de seus filhos, isso tudo por Amor, são pessoas abençoadas as Mães obrigado por vocês existirem.  Parabéns por serem fortes, guerreiras, valentes em todas as ocasiões, obrigado por nos fazerem dignos.
Não poderia esquecer, daquelas mães que abandonam seus filhos, apenas posso ter pena, por não terem Amor no coração, pensem mais no que estão fazendo, filho é uma benção e não é para ser jogado no lixo, vocês infelizmente não merecem o título de mãe.

A Todas as outra, Parabéns por esse dia Maravilhoso, Parabéns Guerreiras...

Que seja um dia muito ILUMINADO ......

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Videira ou (Vitis vinifera)




Largamente cultivada pela produção comercial de uva e seus derivados, a videira também é muito ornamental, sendo excelente para cobertura de caramanchão e alambrados. Há relatos de seu cultivo desde o período neolítico (10.000 a.c). Existem cerca de cinco mil variedades, sendo que apenas algumas são usadas para a produçãode bons vinhos. As Videiras têm ciclos vegetativos característicos, como a fase da hibernação, no inverno, ja desprovida das folhas, época importante para a poda. No verão e no outono, ocorre a colheita. Uma Videira pode viver mais de 150 anos. Nativa de Europa, típica de clima temperado. O solo depende da variedade. Reproduz -se por alporquia ou enxertia.






FONTE: Paisagismo para Pequenos Espaços, pág; 112, Ed Europa.

domingo, 1 de maio de 2011

Dinheiro dá em árvore, sim !







Florestas em pé não são boas só para a biodiversidade. Elas geram bilhões para a economia. Quando as tratarmos como empresas, aí, sim, o desmatamento pode cair a zero. Ou abaixo de zero.

Um Maracanã de floresta acaba de desaparecer. Isso desde que você começou a ler este texto, há 1 segundo. Amanhã, neste mesmo horário, você levará a vida como sempre - esperamos. Mas os integrantes de 137 espécies de plantas, animais e insetos, não. Eles terão o destino que 50 mil espécies por ano têm: a extinção. Argumentos como os 15 Maracanãs de mata tropical devastados desde o início deste parágrafo - agora, 17 -, são fortes, mas nem sempre suficientes para que algo seja feito. Só que existe outro, talvez ainda mais persuasivo: dinheiro não dá em árvore, mas árvore dá dinheiro.


Hoje, manter uma floresta em pé é negócio da China. Em uma área estratégica perto do rio Yang Tsé, o governo chinês paga US$ 450 aos fazendeiros por hectare reflorestado. O objetivo é conter as enchentes que alteram o fluxo de água do rio. Equilíbrio ecológico, manutenção do ecossistema, mais espécies preservadas, esses são os objetivos do Partido Comunista Chinês? Não.

Trata-se de um investimento. O reflorestamento mantém o curso do rio estável e as árvores, sozinhas, aumentam a quantidade de chuva - as plantas liberam vapor d’água durante a fotossíntese. Resultado: mais água no Yang Tsé. O que isso tem a ver com dinheiro? A água alimenta turbinas das hidrelétricas distribuídas pelo rio - inclusive a megausina de Três Gargantas, 50% maior que Itaipu, que abriu as comportas em 2008.

Investindo em reflorestamento, os chineses agem de forma pragmática. Pagar fazendeiros = mais árvores. Mais árvores = mais água no rio. Mais água = mais energia elétrica barata (ainda mais no país que inaugura duas usinas a carvão por semana para dar conta de crescer como cresce). Mais energia barata, mais produção para a economia - e dinheiro para pagar os reflorestadores. O final dessa equação é surreal para os padrões brasileiros. A China, nação que mais polui e que mais consome matéria-prima, tem índice de desmatamento zero. Abaixo de zero, até: eles plantam mais árvores do que derrubam.

Não é só lá que as árvores valem dinheiro. No país que melhor preserva sua floresta tropical acontece a mesma coisa. É a Costa Rica. Os donos de terras de lá são pagos para manter áreas de floresta intactas. Parte do dinheiro vem de uma companhia hidrelétrica interessada em manter os rios que usa fluindo. Florestas, hidrelétricas... Só esses dois pontos já deixam claro que o Brasil tem algo a aprender. O berço da maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira (e 3ª do mundo) fica em plena Floresta Amazônica. É Belo Monte, no rio Xingu, a 40 quilômetros da cidade de Altamira, no Pará.

A partir de 2015, ela vai servir 26 milhões de habitantes. O dado mais célebre dela é outro: os 512 km2 de floresta inundada por suas barragens. É a área de uma cidade média, toda debaixo d’água. Mesmo assim, a usina pode fazer mais bem do que mal para a mata. Pelo menos nas próximas décadas. Se seguirmos a lógica da China e da Costa Rica, faz sentido que Belo Monte pague algo pela manutenção da floresta, já que sem ela não tem chuva o bastante, e sem chuva o bastante não tem energia.

E não são só hidrelétricas que lucram com as árvores de pé, e que podem pagar para mantê-las assim. O ciclo de chuvas da Floresta Amazônica é o que garante nossas safras agrícolas - sem ele, boa parte do país seria um deserto. A ONU calcula que mesmo uma queda mínima na quantidade de chuvas que a floresta produz pode trazer prejuízos entre US$ 1 bilhão a US$ 30 bilhões para a agricultura nos arredores da Amazônia.

As estimativas são imprecisas por uma limitação da ciência: não há como saber se um tanto de desmatamento vai provocar outro tanto de bagunça no ritmo das chuvas. Mas todo mundo sabe que a relação existe. O problema é quantificá-la. Mesmo assim, faz sentido imaginar um futuro em que os produtores agrícolas paguem pela preservação de florestas como uma espécie de seguro contra a falta de chuvas.

Claro que, se ficar só na conversa, nunca vai acontecer nada. Mas um grupo de cientistas americanos deu um passo importante. Criaram um software que busca calcular com alguma precisão quanto uma área desmatada ou reflorestada pode gerar em lucros (ou prejuízos) para a economia de uma região. O nome do programa é engenhoso: InVEST (Valoração Integrada de Serviços e Compensações do Ecossistema, em inglês - haja paciência para inventar uma sigla dessas). E ele já saiu do mundo das ideias: é o software que a China usa para gerenciar o retorno de seu reflorestamento. Enquanto isso, devastamos mais 200 Maracanãs no tempo que você levou para ler este texto.

FONTE:  http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/china-desmatamento-zero-biodiversidade-economia-super-623677.shtml

Agaves.


Agave Variegada.
Agave - Dragão.

Agave - Variegada com Inflorescência.
Essas suculentas são tão ornamentais que receberam o nome de Agave, palavra de origem grega que significa "magnífico". Há centenas de espécies do gênero, a maioria nativa das regiões semiáridas do México e cultivada há mais de 7 mil anos. Mas os povos da antiguidade não se interessevam só pela beleza das plantas: de suas folhas faziam sisal para confecção de roupas, das flores, se alimentavam, e , da seiva preparavam uma bebida alcoólica.
Nos jardins, os agaves podem ser usados nas mais variadas situações. Só não são indicados para locais de muita circulação, pois geralmente folhas rigidas e pontiagudas. Alguns tem espinhos até a borda.
Um dos Agaves mais cultivados no Brasil é o agave-variegada (Agave angustifolia "marginata"), de até 1m de diâmetro e folhas estreitas margeadas de branco e, após dez anos surge uma vistosa inflorescência na ponta que pode chegar a 5m de altura. Outra espécie comum é o agave - dragão (Agave attenuata), que cresce em forma de roseta e, com a idade, desemvolve um tronco ramificado na base de 1 m de altura.
Os Agaves são espécies típicas de clima tropical, e subtropical árido. Rústicas, não exigem solo fértil, mas precisam de atenção na hora de regar: água em excesso pode apodrecer sua folhagem. Em geral deve-se regar uma vez por semana no verão e uma vez por mês no inverno.

FONTE: Revista Natureza, pag;30 e 31, Ed;Europa, Ano 2011.

Viveiro

Segue abaixo as fotos das mudas que estamos fazendo para venda, estamos muito no começo...porém bem difícil com muito poucas vendas, poucas ...