sábado, 31 de dezembro de 2011

FELIZ 2012...

Olá Blogueiros, tudo bem ?
Amigos quero agradecer por mais um ano vcs estarem sempre visitando esse blog.
Publico as coisas com muito amor e carinhos, as vezes publico mais coisas e as vezes menos, pois agora estou trabalhando em outra area, dai o tempo fica meio curto, mas não deixarei de publicar, pois amo essa area de Paisagismo, adoro plantas e acima de tudo, amo a vida...Obrigado a vcs que sempre estão lendo as publicaçoes , vocês não imaginam como são importantes para mim , principalmente quando entro no Blog e vejo varias pessoas visitando o blog, e quando olho na estatistica e vejo até pessoas de outros Paises visitando meu blog...






OBRIGADO MESMO GALERA DE CORAÇÃO..QUE EM 2012 O MUNDO POSSA FICAR MAIS CONSCIENTE DA IMPORTÂNCIA DA NATUREZA, E QUE A RESPEITEM MAIS ...

UM GRANDE ABRAÇO A TODOS.. E QUE EM 2012..A PAZ DO SENHOR ESTEJA EM CADA UM DE VCS...

OBRIGADO AMIGOS, POR TUDO....

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Maritacas em meu Jardim...

Papel de Parece Rodrigo

Trepadeira - Asarina

(Asarina - barclayana)
Ela se destaca por conta das flores azuladas,  surgem no verão e no outono. Originária do México, gosta de meia-sombra e clima tropical, mas desenvolve-se também em regiões subtropicais de altitide. Muito pendente e com longos ramos, a trepadeira -asarina forma uma verdadeira cortina quando cultivada em caramanchões. Precisa de solo rico em matéria orgânica e sempre úmido. reproduze-se por sementes ou estaquia.





Fonte:Paisagismo para Pequenos Espaços, Ed Europa, Pág: 60.
Foto:  http://www.visoflora.com/

sábado, 24 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL...

UM FELIZ NATAL A TODOS , QUE POSSAMOS TER DIAS ABENÇOADOS , OBRIGADO A TODOS QUE VISITAM ESSE BLOG, QUE A PAZ DE JESUS ESTEJA COM CADA UM DE VCS, MUITA PAZ NO CORAÇÃO DE TODOS....

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Cereja - do - Rio Grande


(Eugenia involucrata)
A cerejeira-do-rio-grande é uma árvore frutífera e ornamental, bastante popular nos quintais e pomares do sul e sudeste do Brasil. Sua copa é colunar e seu porte é pequeno a médio, alcançando de 5 a 15 metros de altura. O tronco é reto, liso e descamante, com belas tonalidades de cinza, castanho, verde ou vermelho, dependendo da fase da casca. As folhas são simples, cartáceas, brilhantes, opostas, lanceoladas a elípticas e aromáticas.

As flores são axilares, longopedunculadas, solitárias, pentâmeras e brancas. O centro da flor é caracterizado por numerosos e longos estames, com anteras amarelas. Os frutos são bagas subglobosas a piriformes, de casca fina, cor vermelha a negra quando maduras, coroados pelo cálice persistente. Cada fruto pode conter de uma a três sementes de cor castanha, grandes e oblongas. Floresce e frutifica na primavera.
No jardim ou no pomar, a cerejeira-do-rio-grande se destaca pelo tronco elegante e copa decídua, que marca as estações e ainda fornece numerosos frutinhos. Além disso, é indispensável em áreas de reflorestamento, pois é muito atrativa para a vida silvestre. Os frutos são muito saborosos, doces e levemente ácidos, com polpa carnosa e suculenta. Eles podem ser consumidosin natura ou na forma de compotas, geléias, sorvetes, vinhos, licores, etc. Também pode ser plantada em vasos. A queda dos frutos produz um certo lixo e mancha calçadas e carros, por este motivo, deve se evitar seu uso em áreas de estacionamento.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, profundo, drenável e enriquecido com matéria orgânica. Aprecia sombreamento parcial e irrigação periódica nos primeiros anos após o plantio, sendo gradativamente descoberta. Tolerante ao frio. É importante a fertilização anual com adubos químicos ou orgânicos, aplicados na projeção da copa. Também deve se ter o cuidado de manter a árvore bem hidratada durante a floração. Uma irrigação complementar neste período, em caso de estiagem, pode garantir uma boa frutificação. Multiplica-se por sementes que germinam em até 2 meses. A frutificação é precoce, iniciando 4 anos após o plantio. O espaçamento ideal é de 6 metros entre as mudas.
Autor: Raquel Patro
Conteúdo sob Licença Creative Commons
Restrições de Uso do texto e imagens

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Léia Rubra.

(Leea rubra)



A léia-rubra é uma planta arbustiva, de textura semi-lenhosa e folhagem bronzeada muito decorativa. Seu porte é médio, podendo alcançar 2,5 metros de altura e 1,5 metros de diâmetro. A ramagem é roxa, ramificada e esparsa, dando um charmoso aspecto informal ao arbusto. As folhas são pinadas, com folíolos de margens festonadas, lanceolados, brilhantes, de cor verde escura a arroxeada, com reflexos metálicos. As inflorescências surgem na primavera e verão, em cachos compactos, com numerosos botões vermelhos que se abrem em pequenas flores róseas. As flores tem importância ornamental secundária. Os frutinhos são do tipo baga.
A léia-rubra é uma planta bastante interessante para colorir locais semi-sombreados, como renques junto a muros, ou sob a copa das árvores. Isolada, presta-se como uma excelente folhagem, em vasos, adornando ambientes internos bem iluminados, assim como varandas e sacadas protegidas dos ventos fortes. Ideal para contrastar com plantas de outras cores.

Deve ser cultivada sob meia-sombra, em solo fértil, drenável e enriquecido com matéria orgânica. Aprecia o calor tropical. Não tolera geadas ou frio intenso. Pode se podada, para obter um aspecto mais denso, mas de forma lenta e gradual. Após as podas, a recuperação é lenta. Pode ser cultivada na sombra, mas torna-se mais suscetível a doenças e pragas. Multiplica-se por sementes, divisão de touceiras e estaquia dos ramos.
Autor: Raquel Patro
Conteúdo sob Licença Creative Commons
Restrições de Uso do texto e imagens

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

MANACÁ - DA - SERRA

(Tibochina mtabilis)

Originária do Brasil, possue flores solitárias mutáveis , no início brancas depois roxo -claras e finalmente roxo -escuras , cultivada a pleno sol isoladamente, ou em grupos formando conjuntos ou renques, as flores aparecem durante o inverno , a árvore pode chegar a até 4m de altura.




MAMOEIRO

(Carica papaya)

O mamoeiro é uma árvore de caule semi-herbáceo, oco, cilíndrico e simples. No topo da árvore não vemos ramos, apenas folhas grandes, digitilobadas, com nervuras amarelas, sustentadas por longos pecíolos. Ao caírem, durante o crescimento da planta, as folhas deixam grandes cicatrizes no caule. O mamoeiro pode produzir flores masculinas, femininas ou hermafroditas em plantas dióicas ou monóicas.


As flores do mamoeiro podem ser brancas ou amarelas, são cerosas e muito perfumadas. A floração inicia-se em 9 a 10 meses após o plantio. As plantas fêmeas, com flores exclusivamente femininas, produzem após a polinização frutos arredondados. Já as plantas hermafroditas, com flores completas (perfeitas), geram os frutos preferidos comercialmente, alongados, com polpa mais espessa e, conseqüentemente, com cavidade central menor.

O mamão é um fruto carnoso, grande, indeiscente, com polpa macia, densa, aromática e de coloração variável entre o amarelo e o vermelho. Sua casca é lisa e fina, verde na ocasião da colheita e que torna-se gradativamente amarela ou alaranjada com o amadurecimento. A cavidade interna do fruto contém numerosas sementes pretas, comestíveis, de sabor picante, revestidas por uma substância mucilaginosa.

O mamoeiro é uma árvore tipicamente tropical, de crescimento veloz, podendo atingir 8 metros de altura. Sua vida é curta, embora produtiva, e os pomares de mamoeiro devem ser renovados a cada 3 anos em média. Atualmente o mamoeiro é cultivada em diversas regiões tropicais do planeta e pode frutificar durante o ano todo, gerando de 20 a 50 kg de mamão.

Os mamões maduros são consumidos geralmente in natura, mas têm ampla utilização culinária, na forma de shakes, doces, pudins, ensopados, etc. Os mamões verdes, cortados em tiras finas, são utilizados na preparação de um saboroso doce em calda. O mamão é uma fruta sensível que deve ser acondicionada, transportada em armazenada sob cuidados especiais, para que não sofra machucaduras que inviabilizem sua comercialização e consumo.



A seiva leitosa extraída do frutos verdes e do caule, contém a enzima papaína, largamente utilizada como medicinal e na indústria, como amaciante de carnes, tratamento de couros e na composição de cosméticos.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solos leves, calados, férteis e bem drenados, longe de locais ventosos e irrigados regularmente. As mudas devem ser transplantadas para covas bem preparadas, com adubos e terra solta, para seu pleno desenvolvimento radicular. É uma planta muito sensível às geadas e não desenvolve-se bem em climas frios. Também é suscetível a uma série de doenças e pragas, que devem ser prevenidas e controladas em fase iniciais. Multiplica-se por sementes.

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/carica_papaya.php
FOTO 01:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Carica
FOTO 02: http://wildlifeofhawaii.com/flowers/1522/carica-papaya-papaya/

sábado, 12 de novembro de 2011

NOVALGINA

(Achilea milefolium)

Ela não recebeu à toa o nome do famoso medicamente.
Tem propriedades para combater febres e dores de cabeça, além de ser um bom antisséptico e anti-inflamatório.



FOTO: http://livingafield.com/Plants_Achillea_millefolium.htm
FONTE: Revista Natureza, Ed:286. Novembro de 2011, Página:70

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

VERÔNICA

(Hebe speciosa)

Ciclo de Vida: Perene

A verônica é um arbusto semilenhoso e muito florífero, sendo que raramente fica sem flores durante o ano. É nativa da Nova Zelândia e sua introdução no Brasil é recente. Suas folhas são glabras, perenes, opostas, elípticas e carnudas, quase suculentas. As flores, pequenas, numerosas e com longos estames, surgem em inflorescências densas, axilares e opostas com aspecto de uma escova. As inflorescências surgem geralmente no verão, mas podem despontar durante o ano topo, elas podem ser róseas, azuis, roxas ou brancas. O fruto é do tipo cápsula e contém sementes chatas e lisas.





No paisagismo a verônica pode ser utilizada isolada, em renques ou em conjunto com outras plantas. Mesmo quando está sem flores ela é ornamental, devido a sua bela folhagem. Exige poucos cuidados, que se restringem as podas. Se deixada a crescer naturalmente torna-se um arbusto um tanto esparso, mas se a ramagem por podada anualmente, adquire um hábito mais compacto, arredondado e bonito. Há muitas variedades de verônica, com flores de cores diferentes e arbustos mais ou menos compactos, com diferentes portes. Ocorre também uma forma de folhas variegadas de branco creme.




Deve ser cultivado sob sol pleno, em solos bem drenáveis e não muito ricos ou humosos. A irrigação deve ser periódica a esparsa, pois a verônica não tolera encharcamentos, mas resiste a curtos períodos de estiagem. Também é capaz de suportar o frio subtropical, desenvolvendo-se bem, mas sofre um pouco com eventuais geadas. É uma planta excelente para áreas litorâneas, pois tolera a maresia e os ventos. Multiplica-se por sementes e por estaquia.

Autor: Raquel Patro

Conteúdo sob Licença Creative Commons

Restrições de Uso do texto e imagens

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/hebe_speciosa.php
FOTO 01: http://www.anniesannuals.com/plt_lst/lists/general/lst.gen.asp?prodid=2820
FOTO 02: http://countrystoreplants.com/proddetail.php?prod=10314

ARREBENTA - BOI

(Hippobroma longiflora)

O apelido curioso da herbácea entrega, trata-se de uma espécie invasiva, comum em pastagens e tóxica aos animais. Mas quando cultivada no jardim, é muito ornamental. Suas flores em forma de estrela e tubulares são grandes e surgem em grande quantidade na parte terminal dos ramos.





Típica de regiões tropicais, tolerante ao frio subtropical de baixa altitude ou litorânea , a espécie deve ser cultivada em solo arenoso,acrescido de matéria orgânica e regado quando estiver seco.

FONTE : Revista NATUREZA, ed:286, Novembro de 2011, Página: 7.
FOTO: http://www.latin-wife.com/Colombian-Flowers-/Hippobroma-longiflora.asp

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Clerodendro - vermelho

(Clerodendrum splendens)

Clerodendro-vermelho é uma trepadeira de textura semi-lenhosa muito ornamental, que confere romantismo ao jardim. Ela apresenta inflorescências terminais, compostas de numerosas flores vermelhas, com cálice da mesma cor. Estes pequenos buquês vermelhos se formam no inverno, época em que dificilmente outras trepadeiras florescem. Seus ramos são longos e têm folhas ovais, grandes, de coloração verde escura e com nervuras bem demarcadas.



Esta trepadeira têm crescimento lento a moderado e necessita de tutoramento e amarrios. Ela é adequada a diferentes tipos de suporte, como pérgolas, caramanchões, treliças e pórticos. O clerodendro-vermelho é uma espécie muito rústica, e que dispensa maiores manutenções. Atrai beija-flores.
Devem ser cultivados à pleno sol, em solo fértil e enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Não é tolerante às geadas, mas aprecia o clima ameno. Multiplica-se por estaquia ou por alporquia.


Autor: Raquel Patro
Conteúdo sob Licença Creative Commons
Restrições de Uso do texto e imagens

FONTE:http://www.jardineiro.net/br/banco/clerodendrum_splendens.php
FOTO 01: http://toptropicals.com/cgi-bin/garden_catalog/cat.cgi?uid=clerodendrum_splendens
FOTO 02: http://www.jardineiro.net/br/banco/clerodendrum_splendens.php

sábado, 15 de outubro de 2011

Sapatinho - de - Judia

(Thunbergia mysorensis)



Originária da Índia, ocorrre também a variedade "lutea" (flores totalmente amarelas), cultivada a pleno sol ou meia - sombra em caramanchões e pérgolas altas para que os cachos de flores possam ficar livres e dependurados.
Ela possui ramagem bem fina e alongada com folhas , possui flores amarelas que se formam em cachos pendentes, parecem um sapatinho dai o nome popular.
Atinge o tamanho de 2,5m de altura.



Foto 01: http://www.oramsnurseries.com.au/climbers.html

Foto 02: http://www.nmessences.com/healing/thunbergia_mysorensis_h.html

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Dama - da - Noite

(Cestrum nocturnum)

Originário das Antilhas. Arbusto de até 3m de altura cultivado a pleno sol como planta isolada.


É recomendado o seu cultivo longe de janelas de dormitórios em virtude do perfume forte exalado pelas flores durante a noite.



Foto 1 : http://www.jardineiro.net/br/banco/cestrum_nocturnum.php
Foto 2 : http://doctorgarden.spaceblog.com.br/776252/Cestrum-nocturnum/

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Palmeira - Azul.

Nome Científico: Bismarckia nobilis


Sinonímia: Medemia nobilis

Nome Popular: Palmeira-azul, Palmeira-bismarckia , Palmeira-de-bismarck

Família: Arecaceae

Divisão: Angiospermae

Origem: Madagascar

Ciclo de Vida: Perene

A palmeira-azul é uma palmeira dióica, de cor inusitada e aspecto escultural, que está em crescente popularização devido às suas qualidades paisagísticas. Esta palmeira apresenta estipe único, com diâmetro entre 30 a 45 cm, e alcança 25 metros de altura, embora geralmente não ultrapasse 12 metros. As folhas são grandes, eretas, cerosas, em número de 15 a 20, com formato de leque, palmadas, de cor azul prateada e sustentadas por fortes pecíolos. Quando as folhas velhas caem, deixam uma marca no tronco, que fica anelado. Ocorre ainda uma variedade de folhas verdes, que é menos resistente ao frio e à seca.



A floração ocorre na primavera, despontando inflorescências interfoliares, pendentes, ramificadas e com numerosas flores de cor marrom. As flores são menores e mais abundantes nos machos do nas que fêmeas. Para produzir sementes férteis é necessário ter as plantas dos dois sexos próximas para que a polinização ocorra. Os frutos são do tipo drupa, ovóides e de cor marrom escura a preta quando maduros. Cada fruto contém uma única semente.
De uma beleza espetacular, essa palmeira exótica é avidamente procurada por paisagistas e entusiastas para suas composições. Seu efeito é escultural e impactante, tornando-se invariavelmente, um ponto focal no jardim. E o mais interessante, é que a planta jovem já é capaz deste efeito, pois sua copa é bastante ampla mesmo com pouca altura. Ideal para jardins amplos, contemporâneos ou tropicais. Também pode ser cultivada em grupos ou linhas, com excelente efeito. Para o seu desenvolvimento e apreciação, precisa de espaço de no mínimo 8 metros de diâmetro. A mesma medida deve ser tomada para espaçamento entre mudas.
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solos bem drenáveis, enriquecidos com matéria orgânica e irrigados regularmente. Após o pleno estabelecimento é capaz de tolerar períodos de estiagem. Mesmo assim, recomenda-se a irrigação suplementar, que estimula o rápido crescimento desta espécie. Ao contrário da maioria das palmeiras, a palmeira-azul pode ser conduzida sob sol pleno mesmo que seja jovem.
Aprecia o clima tropical e o subtropical, adaptando-se a ambientes úmidos ou secos. Também suporta as geadas e o fogo, podendo ficar queimada, mas rebrotando em seguida. Pouco tolerante a transplantes depois de adulta. Prefira transplantar mudas jovens e evite ao máximo mexer nas raízes. Multiplica-se por sementes oriundas de frutos recém colhidos e despolpados, plantadas em seguida em saquinhos contendo substrato arenoso e mantido úmido. A germinação ocorre entre 6 a 8 semanas.

Autor: Raquel Patro

Conteúdo sob Licença Creative Commons




sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Afelandra-Coral

(Aphelandra sinclairiana)

As inflorescências da afelandra-coral nascem nas pontas dos seus ramos, são espigadas e compostas por brácteas de cor salmão, com pequenas flores róseas muito visitadas por beija-flores. Essas brácteas são duradouras e permanecem por um bom tempo na planta, do final do inverno até o início do verão.

Nátivo da América Central, o arbusto chega a 3m de altura e é típico de clima tropical quente, por isso não tolera o frio. No jardim, deve ser cultivado isolado, formando maciços ou em renques ao longo de muros ou cercas. Cultive a afelandra-coral sempre sob sol pleno e em solo rico em matéria orgânica e mantido úmido.


Fonte: Paisagismo para pequenos espaços, Página78, Editora Europa .
Foto 01 :http://toptropicals.com/cgi-bin/garden_catalog/cat.cgi?uid=aphelandra_sinclairiana
Foto 02: http://davesgarden.com/guides/pf/showimage/51235/

Início da primavera

Olá, Blogueiros, só lembrando que hoje começa a Primavera, o período mais florido do ano.
                                     


Foto : http://www.shoppingsantaursula.com.br/blog/index.php/variedades/primavera-chegando/
Foto 03:  http://www.cm-pvarzim.pt/turismo/actividades/concurso-janelas-varandas-e-jardins-floridos/2006/galeria-imagens-do-concurso-janelas-varandas-e-jardins-floridos-2006/1o-classificado.jpg/view

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Quaresmeira

(Tibouchina granulosa)

Originária da America do Sul, Brasil, ela é cultivada a pleno sol, podendo chegar a 12m de altura.


Possui copa arredondada, flores em grande quantidade na quaresma, porém pode manchar roupas e até mesmo o carro.



FOTO: http://www.verfotosde.org/brasil/imagenes.php?Caxias-do&id=1606
Foto 02 : http://mgonline.com/articles/tibouchina.aspx

No dia da árvore , um presente para vocês , a Linda Quaresmeira.

Dia da Árvore

Olá, meus amigos blogueiros tudo bem ?
Vocês sabem que dia é hoje, hoje o dia da árvore se cada pessoa no planeta plantasse uma e cuidasse dela, o nosso ar não estaria como está hoje em dia, se ainda não fez isso, faça pelo menos uma árvore dever ser plantada por cada um...



Plante uma árvore , mas sempre com consciencia de que no futuro não será preciso corta-la, planta espécies que não arrebente a calçada, ou que não atrapalhe a passagem de fios de alta tensão.

Esse na foto, sou eu plantando mais uma árvore a Croton urucuana.



segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Areca - Dourada

(Areca - vestiaria)

Palmeira de 3 a 6m de altura, nativa da Ásia, possui palmito grande alaranjado. Deve ser cultivada a meia -sombra em grupos ou isolada e irrigada em períodos secos.


Caule liso e anelado de cor parda.
Forma touceiras compactas ou com 2 ou 3 hastes, não resiste ao sol direto.



FOTO: http://www.pacsoa.org.au/palms/Areca/vestiaria.html
FOTO 2: http://rosesementes.com.br/site/produtos/produtos_int.php?PROD1_COD=72

sábado, 17 de setembro de 2011

Sapucaia

( Lecythis pisonis)

Originária do Brasil, folhagem muito ornamental de coloração rósea quando jovem. Flores de coloração Lilás, a partir de setembro. Grande destaque para os frutos grandes, duro,  utilizado como adormo.

Árvore chega até 30m de altura.



FOTO: http://sapucaianet.blogspot.com/2011/02/sapucaia-lecythis-pisonis-camb.html

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Copaíba

( Copaifera sp)

A copaíba (Copaifera sp) fornece o bálsamo ou óleo de copaíba, um líquido transparente e terapêutico, que é a seiva extraída mediante a aplicação de furos no tronco da árvore até atingir o cerne. O óleo da copaíba é um líquido transparente, viscoso e fluido, de sabor amargo com uma cor entre amarelo até marrom claro dourado. O uso mais comum é o medicinal, sendo empregado como anti-inflamatório e anticancerígeno. Pelas propriedades químicas e medicinais, o óleo de copaíba é bastante procurado nos mercados regional, nacional e internacional.
 
 


Uso tradicional:


A copaíba é incrivelmente poderosa, um antibiótico da mata, que já salvou vidas de muitos caboclos e índios seriamente feridos. Em algumas regiões, o chá da casca é bastante utilizado como anti-inflamatório. Em Belém, a garrafada da casca está sendo utilizada como substituto do óleo de copaíba. Isto porque é cada vez mais difícil encontrar o óleo. A casca entra na composição de todos os lambedores ou xaropes para tosse. Nos Andes do Peru, o óleo de copaíba é utilizado para estrangúria, sífilis e catarros.

Remédio universal da Amazônia:

A Medicina tradicional no Brasil recomenda óleo de copaíba hoje como um agente antiinflamatório, para tratamento de caspa, todas tipos de desordens de pele e para úlceras de estômago. Copaíba também tem propriedades diuréticas, expectorantes, desinfetantes, e estimulantes, e vem sendo utilizado nos tratamentos de bronquite, dor de garganta, anticoncepcional, vermífugo, dermatose e psoríase, e ainda, como combustível para clarear a escuridão da noite, substituindo a função do tradicional óleo diesel nas lamparinas.
Na indústria, esse óleo pode ser usado para fabricação de vernizes, perfumes, farmacêuticos e até para revelar fotografias.

Bibliografia:


Taylor, Leslie. Herbal Secret's of the Rainforest. Prima Publishing, Inc.. 1998Mahajan, J.R., and Ferreira, G.A., Ann. Acad. Brasil. Cienc., 43, 611 (1971) through Chem. Abstr., 77,. (1972)

ESTRELLA, E. Plantas Medicinales Amazônicas: Realidad y Perspectivas. Lima: TCA, 1995. 302p.

MING, L.C.; GAUDÊNCIO, P.; SANTOS, V.P. Plantas Medicinais: Uso Popular na Reserva Extrativista "Chico Mendes" - Acre. Botucatu: CEPLAN/UNESP, 1997. 165p.

Foto: http://www.plantasmedicinaisefitoterapia.com/plantas-medicinais-copaiba.html

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Madressilva

(Lonicera japonica)

Originária do Japão e China, ocorrem diversas variedades, cujas flores são de forma e coloridos variados, ela é apropriada para revestir pérgolas e caramanchões a pleno sol.



Folhas ásperas, opostas cruzadas , branco amareladas, podendo chegar a planta a 2,5m de altura.




FOTO: http://www.missouriplants.com/Whiteopp/Lonicera_japonica_page.html
FOTO 02: http://www.juniperus.hu/en/010701.html

domingo, 11 de setembro de 2011

Buxinho

(Buxus semperveriens)

Arbusto muito utilizado para a topiaria, por suas inúmeras qualidades. Sua folhagem verde escura é resistente e regenera-se bem das podas semestrais. Se você quer um autêntico jardim francês não pode dispensar o buxinho, porém deve ter paciência, pois seu crescimento é relativamente lento se comparado às outras cercas vivas.



Tem grande durabilidade e rusticidade com os cuidados básicos, exigindo pouca manutenção. Perfeito para compor desenhos, cercas e esculturas vivas, também é muito utilizado para Bonsai. Adapta-se ao cultivo em vasos.
Devem ser sempre cultivados a pleno sol, com solo fértil e regas regulares. Tolerante ao frio. Multiplica-se por estaquia.



Autor: Raquel Patro
Conteúdo sob Licença Creative Commons

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/buxus_sempervirens.php
FOTO: http://www.imagejuicy.com/images/plants/b/buxus/31/

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

As Pragas do Jardim

Cochonilha Branca: Parece um algodão que deixa os brotos pegajosos. Passa rápido de um vaso para outro. Use o óleo de Neem ou calda de fumo com sabão de coco.


Cochonilha de carapaça: Parece -se com pelotinhos grudados aos caules mais ternose na parte de baixo das folhas. Use o óleo de Neem ou calda de fumo com sabão.



Pulgão Amarelo: Reproduz-se em uma velocidade incrível, tornando -se uma praga em poucos dias. Dê uma ducha na planta e mande-os para bem longe!



Pulgão Preto: Assim como o primo amarelo, acaba com um vaso inteiro em pouco tempo. Lave a planta ou deixe o vaso submerso em água por 24hrs para afoga´los.



Lesma: No começo da noite ponha nos vasos rodelas de chuchu ou pedaços de estopa embebidos em cerveja. Recolha as armadilhas uma hora depois.




Caramujo: Extermine-os com a mesma técnia das lesmas. Você pode também espalhar veneno natural chamado Ferramol, vendido em grandes lojas de jardinagem.


Lagarta: Coloque frutas para atrair pássaros em seu jardim, é que muitos passaros comem as lagartas, impedindo que comam suas plantas.


Maria-Fedida: Cultive cravo-de-defunto e plantas carnívoras perto dos vasos que você quer proteger, essas plantas espantam muitos insetos nocivos.



Obs: Amigos aqui em meu jardim em casa apareciam muitas dessas pragas, o que fiz foi colocar algumas plantas com cheiro, como Calliandra, Manaca-de-Cheiro, Manjeiricão, além de colocar frutas para os pássaros , principalmente o Bem-Te-Vi que mais come essas pragas.


Fonte:Revista Ana Maria, Editora Abril, nº777, 02 de setembro de 2011.