quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Palmeira - Azul.

Nome Científico: Bismarckia nobilis


Sinonímia: Medemia nobilis

Nome Popular: Palmeira-azul, Palmeira-bismarckia , Palmeira-de-bismarck

Família: Arecaceae

Divisão: Angiospermae

Origem: Madagascar

Ciclo de Vida: Perene

A palmeira-azul é uma palmeira dióica, de cor inusitada e aspecto escultural, que está em crescente popularização devido às suas qualidades paisagísticas. Esta palmeira apresenta estipe único, com diâmetro entre 30 a 45 cm, e alcança 25 metros de altura, embora geralmente não ultrapasse 12 metros. As folhas são grandes, eretas, cerosas, em número de 15 a 20, com formato de leque, palmadas, de cor azul prateada e sustentadas por fortes pecíolos. Quando as folhas velhas caem, deixam uma marca no tronco, que fica anelado. Ocorre ainda uma variedade de folhas verdes, que é menos resistente ao frio e à seca.



A floração ocorre na primavera, despontando inflorescências interfoliares, pendentes, ramificadas e com numerosas flores de cor marrom. As flores são menores e mais abundantes nos machos do nas que fêmeas. Para produzir sementes férteis é necessário ter as plantas dos dois sexos próximas para que a polinização ocorra. Os frutos são do tipo drupa, ovóides e de cor marrom escura a preta quando maduros. Cada fruto contém uma única semente.
De uma beleza espetacular, essa palmeira exótica é avidamente procurada por paisagistas e entusiastas para suas composições. Seu efeito é escultural e impactante, tornando-se invariavelmente, um ponto focal no jardim. E o mais interessante, é que a planta jovem já é capaz deste efeito, pois sua copa é bastante ampla mesmo com pouca altura. Ideal para jardins amplos, contemporâneos ou tropicais. Também pode ser cultivada em grupos ou linhas, com excelente efeito. Para o seu desenvolvimento e apreciação, precisa de espaço de no mínimo 8 metros de diâmetro. A mesma medida deve ser tomada para espaçamento entre mudas.
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solos bem drenáveis, enriquecidos com matéria orgânica e irrigados regularmente. Após o pleno estabelecimento é capaz de tolerar períodos de estiagem. Mesmo assim, recomenda-se a irrigação suplementar, que estimula o rápido crescimento desta espécie. Ao contrário da maioria das palmeiras, a palmeira-azul pode ser conduzida sob sol pleno mesmo que seja jovem.
Aprecia o clima tropical e o subtropical, adaptando-se a ambientes úmidos ou secos. Também suporta as geadas e o fogo, podendo ficar queimada, mas rebrotando em seguida. Pouco tolerante a transplantes depois de adulta. Prefira transplantar mudas jovens e evite ao máximo mexer nas raízes. Multiplica-se por sementes oriundas de frutos recém colhidos e despolpados, plantadas em seguida em saquinhos contendo substrato arenoso e mantido úmido. A germinação ocorre entre 6 a 8 semanas.

Autor: Raquel Patro

Conteúdo sob Licença Creative Commons




sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Afelandra-Coral

(Aphelandra sinclairiana)

As inflorescências da afelandra-coral nascem nas pontas dos seus ramos, são espigadas e compostas por brácteas de cor salmão, com pequenas flores róseas muito visitadas por beija-flores. Essas brácteas são duradouras e permanecem por um bom tempo na planta, do final do inverno até o início do verão.

Nátivo da América Central, o arbusto chega a 3m de altura e é típico de clima tropical quente, por isso não tolera o frio. No jardim, deve ser cultivado isolado, formando maciços ou em renques ao longo de muros ou cercas. Cultive a afelandra-coral sempre sob sol pleno e em solo rico em matéria orgânica e mantido úmido.


Fonte: Paisagismo para pequenos espaços, Página78, Editora Europa .
Foto 01 :http://toptropicals.com/cgi-bin/garden_catalog/cat.cgi?uid=aphelandra_sinclairiana
Foto 02: http://davesgarden.com/guides/pf/showimage/51235/

Início da primavera

Olá, Blogueiros, só lembrando que hoje começa a Primavera, o período mais florido do ano.
                                     


Foto : http://www.shoppingsantaursula.com.br/blog/index.php/variedades/primavera-chegando/
Foto 03:  http://www.cm-pvarzim.pt/turismo/actividades/concurso-janelas-varandas-e-jardins-floridos/2006/galeria-imagens-do-concurso-janelas-varandas-e-jardins-floridos-2006/1o-classificado.jpg/view

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Quaresmeira

(Tibouchina granulosa)

Originária da America do Sul, Brasil, ela é cultivada a pleno sol, podendo chegar a 12m de altura.


Possui copa arredondada, flores em grande quantidade na quaresma, porém pode manchar roupas e até mesmo o carro.



FOTO: http://www.verfotosde.org/brasil/imagenes.php?Caxias-do&id=1606
Foto 02 : http://mgonline.com/articles/tibouchina.aspx

No dia da árvore , um presente para vocês , a Linda Quaresmeira.

Dia da Árvore

Olá, meus amigos blogueiros tudo bem ?
Vocês sabem que dia é hoje, hoje o dia da árvore se cada pessoa no planeta plantasse uma e cuidasse dela, o nosso ar não estaria como está hoje em dia, se ainda não fez isso, faça pelo menos uma árvore dever ser plantada por cada um...



Plante uma árvore , mas sempre com consciencia de que no futuro não será preciso corta-la, planta espécies que não arrebente a calçada, ou que não atrapalhe a passagem de fios de alta tensão.

Esse na foto, sou eu plantando mais uma árvore a Croton urucuana.



segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Areca - Dourada

(Areca - vestiaria)

Palmeira de 3 a 6m de altura, nativa da Ásia, possui palmito grande alaranjado. Deve ser cultivada a meia -sombra em grupos ou isolada e irrigada em períodos secos.


Caule liso e anelado de cor parda.
Forma touceiras compactas ou com 2 ou 3 hastes, não resiste ao sol direto.



FOTO: http://www.pacsoa.org.au/palms/Areca/vestiaria.html
FOTO 2: http://rosesementes.com.br/site/produtos/produtos_int.php?PROD1_COD=72

sábado, 17 de setembro de 2011

Sapucaia

( Lecythis pisonis)

Originária do Brasil, folhagem muito ornamental de coloração rósea quando jovem. Flores de coloração Lilás, a partir de setembro. Grande destaque para os frutos grandes, duro,  utilizado como adormo.

Árvore chega até 30m de altura.



FOTO: http://sapucaianet.blogspot.com/2011/02/sapucaia-lecythis-pisonis-camb.html

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Copaíba

( Copaifera sp)

A copaíba (Copaifera sp) fornece o bálsamo ou óleo de copaíba, um líquido transparente e terapêutico, que é a seiva extraída mediante a aplicação de furos no tronco da árvore até atingir o cerne. O óleo da copaíba é um líquido transparente, viscoso e fluido, de sabor amargo com uma cor entre amarelo até marrom claro dourado. O uso mais comum é o medicinal, sendo empregado como anti-inflamatório e anticancerígeno. Pelas propriedades químicas e medicinais, o óleo de copaíba é bastante procurado nos mercados regional, nacional e internacional.
 
 


Uso tradicional:


A copaíba é incrivelmente poderosa, um antibiótico da mata, que já salvou vidas de muitos caboclos e índios seriamente feridos. Em algumas regiões, o chá da casca é bastante utilizado como anti-inflamatório. Em Belém, a garrafada da casca está sendo utilizada como substituto do óleo de copaíba. Isto porque é cada vez mais difícil encontrar o óleo. A casca entra na composição de todos os lambedores ou xaropes para tosse. Nos Andes do Peru, o óleo de copaíba é utilizado para estrangúria, sífilis e catarros.

Remédio universal da Amazônia:

A Medicina tradicional no Brasil recomenda óleo de copaíba hoje como um agente antiinflamatório, para tratamento de caspa, todas tipos de desordens de pele e para úlceras de estômago. Copaíba também tem propriedades diuréticas, expectorantes, desinfetantes, e estimulantes, e vem sendo utilizado nos tratamentos de bronquite, dor de garganta, anticoncepcional, vermífugo, dermatose e psoríase, e ainda, como combustível para clarear a escuridão da noite, substituindo a função do tradicional óleo diesel nas lamparinas.
Na indústria, esse óleo pode ser usado para fabricação de vernizes, perfumes, farmacêuticos e até para revelar fotografias.

Bibliografia:


Taylor, Leslie. Herbal Secret's of the Rainforest. Prima Publishing, Inc.. 1998Mahajan, J.R., and Ferreira, G.A., Ann. Acad. Brasil. Cienc., 43, 611 (1971) through Chem. Abstr., 77,. (1972)

ESTRELLA, E. Plantas Medicinales Amazônicas: Realidad y Perspectivas. Lima: TCA, 1995. 302p.

MING, L.C.; GAUDÊNCIO, P.; SANTOS, V.P. Plantas Medicinais: Uso Popular na Reserva Extrativista "Chico Mendes" - Acre. Botucatu: CEPLAN/UNESP, 1997. 165p.

Foto: http://www.plantasmedicinaisefitoterapia.com/plantas-medicinais-copaiba.html

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Madressilva

(Lonicera japonica)

Originária do Japão e China, ocorrem diversas variedades, cujas flores são de forma e coloridos variados, ela é apropriada para revestir pérgolas e caramanchões a pleno sol.



Folhas ásperas, opostas cruzadas , branco amareladas, podendo chegar a planta a 2,5m de altura.




FOTO: http://www.missouriplants.com/Whiteopp/Lonicera_japonica_page.html
FOTO 02: http://www.juniperus.hu/en/010701.html

domingo, 11 de setembro de 2011

Buxinho

(Buxus semperveriens)

Arbusto muito utilizado para a topiaria, por suas inúmeras qualidades. Sua folhagem verde escura é resistente e regenera-se bem das podas semestrais. Se você quer um autêntico jardim francês não pode dispensar o buxinho, porém deve ter paciência, pois seu crescimento é relativamente lento se comparado às outras cercas vivas.



Tem grande durabilidade e rusticidade com os cuidados básicos, exigindo pouca manutenção. Perfeito para compor desenhos, cercas e esculturas vivas, também é muito utilizado para Bonsai. Adapta-se ao cultivo em vasos.
Devem ser sempre cultivados a pleno sol, com solo fértil e regas regulares. Tolerante ao frio. Multiplica-se por estaquia.



Autor: Raquel Patro
Conteúdo sob Licença Creative Commons

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/buxus_sempervirens.php
FOTO: http://www.imagejuicy.com/images/plants/b/buxus/31/

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

As Pragas do Jardim

Cochonilha Branca: Parece um algodão que deixa os brotos pegajosos. Passa rápido de um vaso para outro. Use o óleo de Neem ou calda de fumo com sabão de coco.


Cochonilha de carapaça: Parece -se com pelotinhos grudados aos caules mais ternose na parte de baixo das folhas. Use o óleo de Neem ou calda de fumo com sabão.



Pulgão Amarelo: Reproduz-se em uma velocidade incrível, tornando -se uma praga em poucos dias. Dê uma ducha na planta e mande-os para bem longe!



Pulgão Preto: Assim como o primo amarelo, acaba com um vaso inteiro em pouco tempo. Lave a planta ou deixe o vaso submerso em água por 24hrs para afoga´los.



Lesma: No começo da noite ponha nos vasos rodelas de chuchu ou pedaços de estopa embebidos em cerveja. Recolha as armadilhas uma hora depois.




Caramujo: Extermine-os com a mesma técnia das lesmas. Você pode também espalhar veneno natural chamado Ferramol, vendido em grandes lojas de jardinagem.


Lagarta: Coloque frutas para atrair pássaros em seu jardim, é que muitos passaros comem as lagartas, impedindo que comam suas plantas.


Maria-Fedida: Cultive cravo-de-defunto e plantas carnívoras perto dos vasos que você quer proteger, essas plantas espantam muitos insetos nocivos.



Obs: Amigos aqui em meu jardim em casa apareciam muitas dessas pragas, o que fiz foi colocar algumas plantas com cheiro, como Calliandra, Manaca-de-Cheiro, Manjeiricão, além de colocar frutas para os pássaros , principalmente o Bem-Te-Vi que mais come essas pragas.


Fonte:Revista Ana Maria, Editora Abril, nº777, 02 de setembro de 2011.

Palmeira Rabo-de-Raposa

(Wodyetia bifurcata)

Palmeira de 15 - 20m de altura. nativo do nordeste da Austrália, é a palmeira da moda no momento em todo mundo, sendo muito procurada para o plantio pelos colecionadores. É extremamente ornamental e recomendada para plantio a pleno sol.




Caule único, de porte elegante, bastante ornamental possui palmito grande de cor verde acinzentada, dilatado em direção a ponta (leve aspecto de garrafa), destaque para as belas folhagens de aspecto plumoso, lembram um rabo de raposa.




Foto 01: http://www.pacsoa.org.au/palms/Wodyetia/bifurcata.html

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Astrapeia-de-Nairobi.

(Dombeya naiorobensis)

É uma arvoreta rústica de crescimento rápido, ideal para o cultivo em parques e jardins. Atinge até 6m de altura e apresenta grandes inflorescências rosa-claras durante o inverno. Quando secam, as flores adquirem cor de palha e podem ser usadas em arranjos florais para decoração da casa.


A astrapeia-de-Nairobi é originária do Quênia, é típica de clima tropical.Multiplica-se por estacas e alporques e deve ser cultivada em solo fértil.



Fonte: Revista Natureza, Página:9, Editora Europa, Ed:271, Agosto de 2010
FOTOS : http://www.apicultura.com.br/viewtopic.php?f=7&t=986

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Margarida-azul-variegada

(Felicia amelloides "Variegata")

                 Mesmo disponível há anos no mercado, essa semi-herbácea é pouco vista em jardins. Trata-se de uma espécie originária da África do Sul que, apesar da aparência delicada, resiste tanto em regiões de clima ameno, como no sul do Brasil, quanto em regiões serranas dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.




                   A margarida-azul-variegada tem crescimento rápido e pode chegar a 1m de altura em apenas 12 meses. Suas pequenas folhas são verde amareladas com margens brancas. As flores que surgem durante o verão e o outono, medem até 2cm de diâmetro e apresentam tom azulado com miolo amarelo.
A planta é ideal para compor maciços em jardins ou forrar grandes vasos e floreiras, sempre sob sol pleno. Precisa de solo rico em matéria orgânica, úmido e bem drenado. Para estimular a floração, aplique a cada dez dias, adubos á base deNPK 4-14-8. A propagação se dá por sementes ou estacas. Caixas com 15 mudas custam R$12 cada na Floricultura rosevale.(http://www.rosevale.com.br/)




FONTE: Revista Natureza, Ed: 284, Página:78, Setembro de 2011, Editora Europa.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Estilos de Jardim:

Árido: No jardim árido, você pode utilizar pedriscos, pedras maiores, abusar de cactos, rosas-do-deserto.


FOTO: http://www.floravaledasflores.com.br/OBJ/prodView.asp?idproduct=3&P=

Jardim Rústico: Você pode utilizar plantas de fácil cultivo, plantas que vão bem em qualquer clima.


Foto: Minha casa.

Paineirinha - vermelha ( Spirotheca passifloroides)

          Paineirinha - vermelha ( Spirotheca passifloroides)

           Trata-se de uma árvore brasileiríssima, nativa da mata atlântica dos estados de São Paulo, Paraná, e Santa Catarina. Mesmo assim, dificilmente é vista em viveiros que comercializam mudas nativas.
Ainda rara no paisagismo, a paineirinha-vermelha tem porte de até 9m de altura e copa piramidal. Durante o inverno, perde suas folhas e ao longo dos galhos surgem flores vermelhas que lembram a florada do maracujá.
        



               É uma árvore ideal para arborização urbana e para o plantio em jardins e parques. Aprecia solo rico em matéria orgânica, úmido e deve receber sol pleno. O clima ideal é o subtropical, mas tolera o clima tropical úmido de algumas regiões do Brasil.
A propagação da espécie é feita por sementes, mudas podem ser encontradas na Márcia Novaes Paisagismo, (http://www.marcianovaes.com.br/) por R$30,00 cada.




FONTE: Revista Natureza, Ed: 271, Agosto de 2010.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Fórmio.

Nome Científico: Phormium tenax


Nome Popular: Fórmio, linho-da-nova-zelândia, fibra-da-nova-zelândia, cânhamo-da-nova-zelândia

Família: Hemerocallidaceae

Divisão: Angiospermae

Origem: Nova Zelândia

Ciclo de Vida: Perene




O fórmio é uma planta vigorosa, com rizomas bem desenvolvidos e folhagem ornamental. Suas folhas em forma de lâmina, são muito longas, eretas e podem alcançar 3 m de altura. Há muitas variedades de fórmio, com folhas verdes ou avermelhadas e com margens e listras longitudinais de cores diferentes, como amarelo, o branco, o laranja, o róseo e o roxo. As inflorescências surgem na primavera, são altas, com numerosas flores vermelhas e dependendo da variedade tem maior ou menor importância ornamental. As flores atraem beija-flores.
Sua folhagem vistosa, a torna apropriada para o cultivo isolado em vasos, como bordadura ou em grupos irregulares, e até mesmo em renques junto a muros ou lagos. É versátil e muito rústica, adequando-se perfeitamente a jardins de estilo tropical, contemporâneo ou de pedras. Seu efeito é um tanto expressivo e deve ser usada com moderação e bom senso, para não tornar o jardim cansativo. Na Nova Zelândia, as fibras extraídas das folhas de fórmio, são utilizadas em cestarias e outros artesanatos pelos Maori, que também o utilizam como planta medicinal.
Deve ser cultivado a pleno sol ou meia sombra, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e com regas regulares. Pode ser plantado em terrenos úmidos, como planta palustre, próximo a lagos e espelhos d'água, assim como no litoral. Tolerante a uma ampla faixa climática, desde o clima temperado até o tropical. Multiplica-se por divisão das touceiras e por sementes.



Autor: Raquel Patro
Conteúdo sob Licença Creative Commons
Restrições de Uso do texto e imagens

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/phormium_tenax.php

Maravilha ou (Mirabilis jalapa).

                  Décadas atrás, essa planta semi-herbácea era muito comum nos jardins brasileiros, mas hoje anda meio em desuso. Originária do Peru, é rústica e muito florífera, pode ser cultivada quase em todo Brasil
                  O caule da maravilha é bem ramificado e passa dos 80cm de altura, possue uma densa folhagem verde, esse fundo verde é responsável por destacar as inúmeras flores em forma de trombeta, produzidas em grande quantidade, principalmente na primavera e verão.
Há diversas cores da maravilha, do tradicional rosa, até as brancas, amarelas, laranjas, vermelhas, roxas, róseas, bicolores, listradas  e também mescladas de um mix de várias cores. Além disso, a espécie libera um suave e agradável perfume. Uma curiosidade: as flores desabrocham em dias nublados e  à noite e ficam abertas durante a manhã para atrair polinizadores.
                     O cultivo da maravilha é bem simples, necessita apenas de sol pleno e solo rico em matéria orgânica, a espécie também pode ser cultivada sob meia-sombra, mas a quantidade  de flores diminui, regas são necessárias apenas quando o solo estiver seco.
  Raízes tuberosas são  vendidas pelo produtor André Boersen (http://www.bulbosdefloresnaturais.com.br/) R$ 4,90 cada.
 









Fonte: Revista Natureza, Ed:271, Agosto de 2010.

Viveiro

Segue abaixo as fotos das mudas que estamos fazendo para venda, estamos muito no começo...porém bem difícil com muito poucas vendas, poucas ...