segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ATENÇÃO

AMIGOS BLOGUEIROS ,ESTAMOS AGORA TAMBÉM NO FACEBOOK:


Youtube:


Agora estou dando mais ênfase ao reflorestamento e ao plantio de árvores em áreas verdes, a partir de minhas próprias mudas, sendo que as faço desde o plantio das sementes.

Obrigado ao apoio de todos.

Fiquem com Deus.





Muntingia calabura



FAMÍLIA: Muntingiaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: Sul do México, Caribe e sul do peru e Bolívia.

PORTE: De 7 a 12 metros de altura.



FLORES: São de tamanho pequeno e coloração branca, com 5 pétalas.

FRUTOS: Comestível, de polpa muito doce, contém grande número de minúsculas sementes de coloração amarela (0,5cm)


Nota: Sabe-se também que cada fruto, com 1,6 cm de diâmetro, pode conter, em média, 4.450 sementes e que um grama de sementes limpas e secas contém aproximadamente 44.500 unidades.
Trata-se de uma  espécie pioneira que prospera em solos pobres, capaz de tolerar condições ácida e alcalina e seca. As suas sementes são dispersas por aves e morcegos frugívoros
Devido ao rápido crescimento e intensidade de frutificação, despertou grande interesse, ao setor de Manejo de Fauna e Áreas Silvestres, como uma espécie de enriquecimento da flora. Por crescer em solos pobres e de sua propagação eficaz por meio de aves e morcegos, ela é muito utilizada em projetos de  reflorestamento
Foi introduzida no Brasil pelo I.A.C. – Instituto Agronômico de Campinas, em 1962
A calabura apresenta-se como uma ótima opção para os plantios de enriquecimento ou mistos com as essências florestais, visando a proteção à fauna.




LUMINOSIDADE:Sol pleno.

ÁGUA: Gosta de solo levemente úmido, mas não encharcado.

CLIMA
 : Quente.

PODA: Não necessária, retirar galhos secos e realizar a poda de formação retirando brotações laterais.
 
FERTILIZAÇÃO: Utilizar esterco de gado bem curtido, cerca de 20 a 30 litros por ocasião do plantio para uma cova de 40 x40 cm.

UTILIZAÇÃO: Uma maravilhosa árvore para o pomar, atrai muitos passarinhos, mas também morcegos que se alimentam de frutas.

PROPAGAÇÃO
 : Por estaquia e por sementes, cada frutinha tem em média 2.000 minúsculas sementes, para ajudar a germinarem devem ser cuidadosamente lavadas para retirada da mucilagem que as envolve.

PARA QUEM DESEJAR SABER MAIS SOBRE GERMINAÇÃO DE SEMENTES:





CURIOSIDADES

No México, os frutos são consumidos e vendidos em mercados.. Os frutos podem ser transformados em doces e as folhas podem ser usadas para fazer chá No Brasil, as árvores são plantadas ao longo margens do rio A queda dos frutos da árvore atrair peixes que são capturados em seguida. although it is not sold in markets. Nas Filipinas os frutos são normalmente comidos principalmente por crianças embora não seja vendido nos mercados.  
Na Brasil as suas flores podem ser utilizados como um anti-séptico e tratar cólicas abdominais. 
A madeira é castanha-avermelhada. É compacto, durável e leve e pode ser usado para a carpintaria.A casca pode ser utilizada para a produção de cordas.. Devido à sua capacidade de crescer em solos pobres e de sua propagação eficaz por meio de aves e morcegos, ela é muito utilizada para projetos de reflorestamento

Na Índia é usada em jardins urbanos por sua capacidade de crescer rapidamente e da produção de pequenos frutos que atraem muitos passarinhos.
Na Malásia estas plantas crescem bem lá devido a boa taxa de sol. Elas são normalmente cultivadas em fileira de casas e ruas As crianças costumam se deliciar com as frutinhas, porque seu gosto muito parecido como algodão doce. Elas são simplesmente delicioso.

A presença de diferentes espécies de pássaros nutrindo-se dos frutos de calabura,nesta idade, reflete o potencial desta espécie nos programas de manejo de fauna e áreas silvestres.

FONTE: http://plantas-ornamentais.blogspot.com.br/2008/08/calabura-muntingia-calabura.html

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Como transplantar árvores e arbustos

Como transplantar árvores e arbustos:

A transplantação é um processo que causa um enorme stress a uma árvore ou arbusto e se esta não for bem feita eles podem morrer. Para que isto não aconteça, saiba como transplantar árvores e arbustos de uma forma correta e construa o seu jardim à sua imagem.

A TRANSPLANTAÇÃO DE ÁRVORES E ARBUSTOS

Antes de transplantar uma árvore ou um arbusto deve avaliar se estes têm ou não condições para serem transplantados com sucesso. O aumento do stress sobre as árvores e arbustos que não estão preparados para serem transplantados pode fazer toda a diferença entre uma árvore ou um arbusto saudável e atrativo e um outro que esteja em declínio.

Ao adquirir árvores e arbustos numa loja de jardins especializada ou em viveiros, eles serão novamente transplantados no seu quintal ou jardim. No entanto, as árvores e os arbustos que se encontram nos viveiros têm as raízes podadas, o que os prepara para uma eventual colheita e transporte para a área onde vão ser plantados. Por outro lado, também pode transplantar árvores e arbustos de um lado do jardim para o outro, apesar de este processo ser um pouco mais trabalhoso e demorado.

AS PRINCIPAIS ESPÉCIES A SEREM TRANSPLANTADAS

Tendo em conta a quantidade de espécies de árvores e arbustos existentes no mercado, é necessário deslocar-se a uma loja de jardins especializada ou viveiro para recolher toda a informação sobre as melhores espécies a serem transplantadas. Algumas espécies resistem melhor à transplantação do que outras. Das mais conhecidas, destacam-se as seguintes:
  • Amieiro
  • Birch
  • Olmo Americano
  • Bordo de Prata
  • Pinheiro
  • Azeitona da Rússia
  • Pícea
  • Nogueira
  • Salgueiro

COMO TRANSPLANTAR COM SUCESSO UMA ÁRVORE OU UM ARBUSTO

Para transplantar com sucesso uma árvore ou um arbusto, deve observar minuciosamente os aspetos seguintes:

A IDADE DAS ÁRVORES E DOS ARBUSTOS

As árvores e os arbustos mais novos têm mais força e capacidade de resistência ao stress do que os mais velhos.

A TOLERÂNCIA QUE AS ÁRVORES E OS ARBUSTOS OFERECEM DURANTE A TRANSPLANTAÇÃO

Existem determinadas espécies de árvores e de arbustos que são mais tolerantes à transplantação do que outros. Ao optar pela transplantação de uma espécie de árvore ou de arbusto que não seja muito tolerante à mudança, estes podem morrer durante o processo.

A ÉPOCA DE TRANSPLANTE

As árvores e os arbustos devem ser, preferencialmente, transplantados na primavera, após o degelo dos solos e antes do florescimento das plantas. Contudo, existem espécies que podem sobreviver ao transplante em qualquer altura do ano, especialmente quando o solo não está congelado. Em alguns casos, as árvores e os arbustos também podem ser movidos no outono, após a queda das folhas e antes de a terra congelar, no entanto, esta época é mais difícil de transplantar, pois as raízes têm mais dificuldade em se adaptarem ao solo.

O NOVO LOCAL DE PLANTAÇÃO

Existem grandes diferenças nos requisitos ambientais exigidos para cada espécie de árvore ou de arbusto. No entanto, para transplantar uma árvore ou um arbusto com sucesso, deve garantir que o novo local de plantação cumpre com os requisitos seguintes:
  • Tenha uma quantidade de luz solar suficiente
  • Não fique exposto em demasia à ação do vento
  • Mantenha os níveis de pH no solo e de humidade controlados
Todas as plantas necessitam de ter espaço suficiente para o desenvolvimento das raízes e das coroas e, como tal, deve considerar o tamanho adulto da respetiva árvore ou arbusto que esteja a plantar e se tem ou não espaço suficiente para ele crescer.

O ARMAZENAMENTO E O TRANSPORTE

As árvores e os arbustos que foram escavados para serem transplantados num outro local devem ser colocados na terra o mais rapidamente possível. Para o fazer corretamente, deve cobrir o torrão com um material que retenha a humidade – como por exemplo um saco de serapilheira, turfa, lona ou plástico – até chegar o momento da plantação.

Assim que uma árvore ou arbusto é retirada da terra, tenha em atenção que ele não deve ficar exposto à luz solar, a ventos e a temperaturas extremas. As raízes não devem secar, uma vez que isso pode reduzir o sucesso do respetivo transplante. Tenha em mente que as árvores e os arbustos devem ficar bem protegidos durante o transporte para o novo local de plantação, para que as árvores ou arbustos mantenham toda a sua beleza.

COMO SE DESENROLA NA PRÁTICA O PROCESSO DE TRANSPLANTAÇÃO:

Na transplantação de uma árvore ou de um arbusto deve ter inúmeros cuidados para minimizar o sofrimento do respetivo sistema radicular. Este é, por norma, um processo de stress para a planta e deve ser efetuado sem falhas. Para o fazer corretamente, é necessário seguir os passos seguintes:
Prepare a transplantação: a transplantação de uma árvore ou de um arbusto deverá começar a ser preparada com cerca de um mês de antecedência. Este é o tempo ideal para efetuar todos os trabalhos necessários nos arbustos ou nas árvores e no novo local de plantação.
Inunde o terreno onde se encontra a árvore ou o arbusto a ser transplantado: é fundamental inundar a terra onde se encontra a árvore ou o arbusto a ser transplantado para que seja cavado o respetivo torrão. Quanto mais inundado estiver o terreno, mais fácil se torna o corte das raízes laterais. Tenha em atenção que não deve mexer, nem cortar, pelo menos para já, as raízes mais profundas, pois estas devem ficar ligadas à terra.
Envolva o torrão num material que retenha a humidade: existem vários materiais que podem ser utilizados para envolver um torrão, como por exemplo um saco de serapilheira, lona ou plástico. Independentemente do material escolhido, certifique-se que as raízes laterais não se voltam a desenvolver no mesmo local. Mantenha apenas as raízes mais profundas conectadas ao chão.
Tape novamente o buraco escavado: ao cortar as raízes laterais do torrão, teve a necessidade de abrir um buraco no solo para envolver e proteger as respetivas raízes. Depois de esse processo ter sido realizado, deve tapar novamente o buraco que cavou e aguardar pacientemente pelo dia da transplantação. Este período de espera demora aproximadamente três semanas.
Transplante a árvore ou o arbusto: para fazer a transplantação de uma árvore ou de um arbusto, é necessário retirar por completo a planta da terra, isto é, cortar as raízes mais profundas (uma vez que as laterais já se encontravam cortadas) e colocá-lo no novo local de plantação. Basta colocar o torrão na nova terra e adicionar um pouco de água para hidratar as raízes. Encha o buraco com mais terra e deixe a árvore ou o arbusto adaptar-se por si só à sua “nova casa”.

QUAIS OS CUIDADOS PRINCIPAIS A SEREM REALIZADOS DEPOIS DA TRANSPLANTAÇÃO:

Depois da transplantação de uma árvore ou de um arbusto ter sido efetuada, é necessário que um jardineiro tenha muitos cuidados na sua manutenção. Dos aspetos que devem ser efetuados, evidenciam-se os demais:
A rega das árvores ou dos arbustos: a correta irrigação de uma árvore ou de um arbusto após a sua mudança de terra é um dos fatores mais importantes e que vai determinar o sucesso ou insucesso de uma transplantação. O novo local de plantação deve ser regado com regularidade, principalmente nas duas primeiras semanas, para que o solo se mantenha húmido.
A cobertura das raízes: a palha ajuda a conservar a humidade e temperatura do solo e, como tal, deve ser utilizada para cobrir as raízes da árvore ou arbusto transplantado. Por outro lado, a sua utilização é também muito eficaz no controle das ervas daninhas que, habitualmente, crescem em redor das árvores e dos arbustos. Nesse sentido, a cobertura de raízes deve ser colocada à superfície do solo sobre o sistema radicular da árvore ou arbusto. Nesta fase, podem ser utilizados fertilizantes orgânicos para fazer com que a terra fique mais fértil e estes devem ser aplicados a cerca de 7,5 a 10 centímetros de profundidade.
A poda das árvores ou dos arbustos: a poda poderá ser exigida para o transplante de árvores ou de arbustos. Todos os ramos que estejam infetados com insetos ou hastes partidas devem ser removidos, para que a árvore ou o arbusto possa crescer de uma maneira saudável. Por outro lado, a poda dos arbustos poderá ser fundamental para equilibrar a área foliar com o tamanho reduzido do sistema radicular.
O suporte mecânico das árvores ou dos arbustos: quando a árvore ou o arbusto são muito altos, poderá ser necessário o auxílio de um suporte mecânico para que eles se fixem à terra. Para as árvores ou arbustos que necessitam de um suporte mecânico, as estacas são também uma excelente alternativa para ajudar com o crescimento e fortalecimento das raízes. Todos os suportes adicionados devem ser retirados assim que a árvore ou arbusto tenha a capacidade de se segurar por ele próprio, pois isso vai fazer com que fiquem mais fortes.


Fonte: http://omeujardim.com/artigos/como-transplantar-arvores-arbustos

quinta-feira, 23 de junho de 2016

22 Árvores de raízes agressivas

  • 1. Salgueiro-chorão – Salix x pendulina: Copa inadequada para as calçadas, atrapalha os transeuntes. À procura de água, os chorões tem tendência a destruir tubulações de água e esgoto enterradas.











  • 6. Eucalipto – Eucaliptus spp: A maioria das espécies apresenta grande porte, sistema radicular superficial e derrama natural.



  • 7. Abacate – Persea americana: Árvore de madeira frágil, com tendência à quebra e que pode atingir grandes proporções. Frutos grandes, que provocam sujeira.






  • 10. Pinheiro-do-paraná – Araucaria angustifolia: Árvore nativa de grandes dimensões, seu maior problema é a derrama natural. Em locais com muitos exemplares, é indicado um programa de podas para evitar a derrama. Suscetível a cupins.


  • 11. Jaca – Artocarpus heterophyllus: Árvore de frutos gigantes que podem causar sérios acidentes, caindo sobre automóveis e ferindo pessoas.














  • 16. Grevilha– Grevilea robusta: Sistema radicular superficial e vigoroso.


  • 17. Tipuana – Tipuana tipu: Porte avantajado, raízes agressivas e madeira frágil, que é mais propícia a quebras e cupins.






  • 20. Falsa-seringueira – Ficus elastica: Como as outras figueiras, esta apresenta tronco de grande diâmetro, raizes adventícias e superficiais.


  • 21. Pinheiro – Pinus spp: Muitas espécies de grande porte, suscetível a cupins e com derrama natural.







FONTE:http://www.jardineiro.net/22-arvores-de-raizes-agressivas.html

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Como reciclar os restos de alimentos

Todos os dias jogamos no lixo um material valioso que poderíamos usar como um bom fertilizante para nossas plantas de jardim. Tratam-se de cascas de frutos, como banana, laranja, mamão, abacaxi, cebola, entre outros. Além de folhas de hortaliças, casca de ovos, borra de café, etc. Conheço pessoas que juntavam estes restos para pequenas compostagens e minhocário, mas logo desistiam devido ao mau cheiro, presença de moscas, formação de chorume e a aparição de larvas. Concordo com todas elas, nada mais desagradável do que ver estas coisas acontecerem em nossas casas; imagine em apartamentos? Até existe uma forma, anaeróbica e um tanto complexa, que exige equipamento apropriado, para compostar este material de forma a não ter estes inconvenientes, mas o método que vou apresentar é bem mais simples e fácil e qualquer pessoa pode fazer.

Para resolver este problema então, decidi secar este material, expondo-os ao sol. Assim, todos os restos ficavam totalmente desidratados. Depois de desidratados, ao ponto de quebradiços, passava-os pelo liquidificador, formando assim uma espécie de farinha. A grande vantagem desta farinha de restos, é que ela mantém intacto todos os nutrientes contido no material que lhes deu origem. É como uma multimistura, só que para as plantas. Assim podemos preservar o potássio contido nas cascas de banana, o cálcio das cascas de ovos etc. Pronta a farinha, ela poderá ser armazenada por um bom período de tempo, sem perdas no seu valor nutricional, se embalada numa sacola plástica e conservada ao abrigo da luz, da umidade e do calor.


Para fazer é fácil. Corte em pedaços pequenos todos os restos da sua cozinha (exceto carnes e materiais com sal). Depois de cortados, deixe-os tomando sol, de preferência sobre uma base telada ou gradeada. Geralmente, se os pedaços estiverem pequenos, com três dias de sol, já dá para passar pelo liquidificador. Nunca tentei, mas acredito que podemos também usar o microondas, ou o forno convencional, para aproveitar os materiais em dias nublados e com chuva por exemplo. Se alguém tentar conte-nos o resultado.



Para aproveitar esta farinha especial, retire dos vasos uma camada com cerca de 1 cm de substrato. Coloque 2 ou 3 colheres de sopa da farinha, umedeça com um borrifador de água e cubra com aquela camada que foi retirada. Regue suas plantas normalmente, fazendo os tratos culturais adequados à espécie. Repita esta adubação uma vez a cada 40 dias. Não coloque farinha em excesso, pois o efeito pode ser desastroso, com fermentação e até mesmo prejudicando as plantas. Você pode testar essa farinha em hortas, pomares, canteiros de flores e gramados também.


Estou usando esta farinha há pelo menos uns seis meses. Sempre deixo uma planta como testemunho, e a diferença é nítida. A planta que recebe a farinha, fica com um verde mais intenso e brilhante, além de flores mais bonitas e abundantes. As plantas também ficam mais resistentes as pragas e doenças, reduzindo assim o uso de agrotóxicos.
Espero que gostem.
Bons cultivos.
Fonte : http://www.jardineiro.net/como-reciclar-os-restos-de-alimentos.html