quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

FELIZ 2011 !!!!!








Olá pessoal , quero desejar a todos um ótimo ano de 2011, que nesse ano todos realizem seus sonhos, e que o mundo possa realmente cultivar um pouco mais a vida, seja ela qual for, animal , vegetal , humana, que nos respeite-mos mais, que as pessoas se conscientizem mais sobre a importância da natureza no mundo.



E MAIS UMA VEZ, OBRIGADO POR ACESSAREM ESSE BLOG, QUE É FEITO REALMENTE PARA VOCÊS, OBRIGADO POR ME LIGAREM PARA TIRAREM AS SUAS DUVIDAS E MANDAREM EMAIL.



OBRIGADO PESSOAL, E UM GRANDE ABRAÇO A TODOS, NESSE QUE BATI MEU RECORDE PESSOAL DE PUBLICAÇÕES NO BLOG, GRAÇAS A VOCÊS.



UM ÓTIMO 2011 A TODOS !!!!

LILÁS.

















Nome Científico: Syringa vulgaris
Nome Popular: Lilás, Lilás-comum
Família: Oleaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Europa e Ásia
Ciclo de Vida: Perene

O lilás é um arbusto lenhoso e decíduo, cultivado no mundo todo por suas flores bonitas e muito perfumadas. Seu porte é grande, alcançando de 3 a 7 metros de altura, sendo considerado por vezes uma arvoreta. O caule é ramificado, com casca marrom-acinzentada e lisa nos exemplares jovens ou sulcada e descamante nos mais velhos. Das raízes de exemplares adultos podem surgir bortações à distância, formando pequenos bosques ao longo de muitos anos. As folhas são simples, opostas, ovais a cordiformes e de cor verde. As inflorescências surgem na primavera e são do tipo panícula, muito vistosas, com numerosas flores de fragrância única, de cor lilás ou branca, de acordo com a variedade. O fruto é seco e do tipo cápsula, com duas sementes aladas.

No paisagismo o lilás é bastante versátil, acrescentando romantismo, delicadeza e perfume ao jardim. Torna-se uma bela arvoreta quando podado de forma a ficar com caule único, assim, o lilás pode ser utilizado isolado ou em grupos. Deixado em sua forma arbustiva presta-se para a formação de maciços e cercas-vivas informais. As podas anuais devem ser leves e realizadas sempre após a floração. Este manejo é importante, porque podas drásticas ou fora de época prejudicam o florescimento subseqüente, pois a planta forma suas inflorescências a partir dos ramos formados na temporada anterior.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solo fértil, drenável, de pH neutro ou levemente alcalino, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Necessita de frio durante o inverno para que floresça satisfatoriamente, por este motivo é indicado apenas para regiões com clima temperado e subtropical. Tolerante a curtos períodos de estiagem. Multiplica-se por sementes, estaquia, alporquia e enxertia dos ramos.

FONTE:http://www.jardineiro.net/br/banco/syringa_vulgaris.php

Palmeira - Real.





Nome Científico: Archontophoenix cunninghamii
Sinonímia: Loroma amethystina, Ptychosperma cunninghamiana, Seaforthia elegans, Archontophoenix cunninghamiana
Nome Popular: Palmeira-real, Palmeira-real-australiana, Palmeira-seafórtia, Seafórtia, Palmeira-australiana, Palmeira-real-da-austrália
Família: Arecaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Austrália
Ciclo de Vida: Perene


A palmeira-real é uma espécie australiana bastante difundida no Brasil, principalmente por suas qualidades ornamentais. De porte elegante, seu estipe geralmente é único, anelado e alcança de 15 a 20 metros de altura e até 20 cm de diâmetro. As folhas são pinadas, longas, com ráquis curvada e folíolos lanceolados, rígidos, acuminados e verdes. O palmito é longo e visível, recoberto pelas bainhas foliares, de cor verde clara. A inflorescência surge logo abaixo do palmito e tem cerca de 1 m de comprimento. Ela é do tipo espádice, pendente, divida em numerosas espigas com ramificações fortes e uma espata esverdeada que se desprende da planta com o amadurecimento das flores. As flores são brancas a violáceas e atraem abelhas, principalmente arapuás. Os frutos são drupas esféricas e vermelhas, atrativas para os passarinhos.

Esta palmeira é amplamente utilizada no paisagismo urbano nas grandes cidades brasileiras. Da mesma forma que outras palmeiras, a seafórtia confere uma beleza tropical a qualquer jardim ou parque, com a diferença de que cresce muito mais rápido se comparada a outras espécies. Pode ser utilizada isolada, em renques ou em grupos. Quando plantadas bem juntas em duplas ou trios, obtém-se um efeito interessante e escultural, pois as palmeiras ficam ligeiramente curvas. Atualmente, esta palmeira vem sendo cultivada também para a produção de palmito, com excelente produtividade e qualidade. Devido à facilidade de propagação, pode tornar-se invasiva nos locais onde é introduzida.

Deve ser cultivada preferencialmente sob meia-sombra quando jovem e sol pleno quando adulta. O solo deve ser fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente para um rápido desenvolvimento. Tolera qualquer tipo de solo. Essa palmeira gosta de calor e umidade das regiões litorâneas e tropicais, sendo uma boa opção para ornamentação na praia. É bastante rústica e resistente ao frio e geadas podendo ser conduzida em regiões serranas também. Entre as palmeiras, é uma espécie de baixa tolerância ao transplante quando adulta. O


FONTE:http://www.jardineiro.net/br/banco/archontophoenix_cunninghamii.php

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal a Todos !!





Olá, blogueiros, quero desejar um Feliz Natal a todos, que tenham muita paz e muito amor em seus corações que seja um dia iluminado na vida de todos, e que não se esqueçam do verdadeiro significado do Natal.


Obrigado a todos por terem acessado esse blog ao longo de todo esse ano, obrigado as pessoas que me ligaram perguntando algo sobre as plantas , e também que me mandaram email, tenho um enorme orgulho de pode ajudar a todos que me procurarão.



Obrigado a todos e um Excelente Natal.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?














Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:




A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.


Modo de Cuidar:


A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);


Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);


É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).




Preparação do Vaso:


No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra com um pouco de areia, depois ponha humus de minhoca e plante a rosa com uma mistura de areia grossa e terra enchendo até a borda. (OBS pode ser 2/3 de areia grossa com 1/3 de substrato misturado).


Geralmente troca de vaso durante á primavera ou verão ou seja final de setembro até fevereiro.




Caracteristica:


Herbácea perene, suculenta de pleno sol ou meia- sombra. Prefere clima quente e seco. Deve ser utilizada isoladamente ou em grupos sobre solo arenoso ou rochoso.

Uma dica pessoa entre no site :http://www.rosadodesertobrasil.com.br/ , você encontrará muitas informações sobre essa planta.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Corações-emaranhados ou Ceropegia woodii.




Nome Científico: Ceropegia woodii
Sinonímia: Ceropegia linearis subsp. linearis, Ceropegia linearis subsp. woodii, Ceropegia barbertonensis, Ceropegia euryacme, Ceropegia schoenlandii
Nome Popular: Corações-emaranhados
Família: Asclepiadaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: África do Sul, Zimbábue, Suazilândia
Ciclo de Vida: Perene


É uma trepadeira pendente e muito delicada, de caule longo e arroxeado que pode alcançar de 2 a 4 metros de comprimento. Apresenta folhas suculentas, opostas, em formato de coração, de coloração verde-musgo, com um marmorizado prateado na página superior e arroxeadas na inferior. A floração é distribuída durante os meses quentes e as flores são em forma de um pequeno vaso, com corola rosada, e pétalas roxo-púrpura. Os frutos são pequenas vagens, com sementes achatadas, que caem facilmente quando maduras.

Os corações emaranhados podem ser utilizados na decoração de ambientes internos ou em varandas. Ganham destaque especial se cultivados em grupos de cinco ou mais mudas, em vasos ou cestas suspensas, assim como jardineiras e floreiras colocadas em locais altos. Por não tolerar o sol quente do meio-dia, deve ser protegida neste horário. Se a planta estiver ao ar livre, pode atrair beija-flores. A manutenção desta suculenta se limita às regas e adubações mensais na primavera e verão.

Deve ser cultivada sob meia sombra ou luz difusa (sombra), em substrato leve, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado a intervalos regulares. Não tolera o encharcamento, mas é capaz de passar por um período seco. As regas devem ser reduzidas no inverno, pois a planta entra em dormência. Aprecia o calor. Multiplica-se por estaquia, por mergulhia dos pequenos tubérculos produzidos na base das folhas e por sementes.




Fonte:



Fonte:http://www.jardineiro.net/br/banco/ceropegia_woodii.php

Viveiro

Segue abaixo as fotos das mudas que estamos fazendo para venda, estamos muito no começo...porém bem difícil com muito poucas vendas, poucas ...