Pular para o conteúdo principal

MAMOEIRO

(Carica papaya)

O mamoeiro é uma árvore de caule semi-herbáceo, oco, cilíndrico e simples. No topo da árvore não vemos ramos, apenas folhas grandes, digitilobadas, com nervuras amarelas, sustentadas por longos pecíolos. Ao caírem, durante o crescimento da planta, as folhas deixam grandes cicatrizes no caule. O mamoeiro pode produzir flores masculinas, femininas ou hermafroditas em plantas dióicas ou monóicas.


As flores do mamoeiro podem ser brancas ou amarelas, são cerosas e muito perfumadas. A floração inicia-se em 9 a 10 meses após o plantio. As plantas fêmeas, com flores exclusivamente femininas, produzem após a polinização frutos arredondados. Já as plantas hermafroditas, com flores completas (perfeitas), geram os frutos preferidos comercialmente, alongados, com polpa mais espessa e, conseqüentemente, com cavidade central menor.

O mamão é um fruto carnoso, grande, indeiscente, com polpa macia, densa, aromática e de coloração variável entre o amarelo e o vermelho. Sua casca é lisa e fina, verde na ocasião da colheita e que torna-se gradativamente amarela ou alaranjada com o amadurecimento. A cavidade interna do fruto contém numerosas sementes pretas, comestíveis, de sabor picante, revestidas por uma substância mucilaginosa.

O mamoeiro é uma árvore tipicamente tropical, de crescimento veloz, podendo atingir 8 metros de altura. Sua vida é curta, embora produtiva, e os pomares de mamoeiro devem ser renovados a cada 3 anos em média. Atualmente o mamoeiro é cultivada em diversas regiões tropicais do planeta e pode frutificar durante o ano todo, gerando de 20 a 50 kg de mamão.

Os mamões maduros são consumidos geralmente in natura, mas têm ampla utilização culinária, na forma de shakes, doces, pudins, ensopados, etc. Os mamões verdes, cortados em tiras finas, são utilizados na preparação de um saboroso doce em calda. O mamão é uma fruta sensível que deve ser acondicionada, transportada em armazenada sob cuidados especiais, para que não sofra machucaduras que inviabilizem sua comercialização e consumo.



A seiva leitosa extraída do frutos verdes e do caule, contém a enzima papaína, largamente utilizada como medicinal e na indústria, como amaciante de carnes, tratamento de couros e na composição de cosméticos.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solos leves, calados, férteis e bem drenados, longe de locais ventosos e irrigados regularmente. As mudas devem ser transplantadas para covas bem preparadas, com adubos e terra solta, para seu pleno desenvolvimento radicular. É uma planta muito sensível às geadas e não desenvolve-se bem em climas frios. Também é suscetível a uma série de doenças e pragas, que devem ser prevenidas e controladas em fase iniciais. Multiplica-se por sementes.

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/carica_papaya.php
FOTO 01:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Carica
FOTO 02: http://wildlifeofhawaii.com/flowers/1522/carica-papaya-papaya/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…