Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade paisagística: a importância de exalar vida ao planeta.



Nas ondas da sustentabilidade ambiental, social, econômica e corporativa, um leque foi aberto para suprir os demais segmentos que querem investir na ação. Assim, surgiu a sustentabilidade paisagístista. Tudo por um planeta conservado! Mas, qual será o real significado desta palavra? Seu conceito quer dizer "o desenvolvimento presente garantido para o futuro das próximas gerações". Seguindo alguns parâmetros, toda a humanidade pode, por exemplo, explorar outras fontes de recursos energéticos ou preservar áreas ambientais, auxiliando na garantia do desenvolvimento. Esse não é um termo novo; porém, seu papel tem se tornado constitutivo nos últimos anos - isso porque as mudanças climáticas e os desastres ecológicos têm sido frequentes, quase rotineiros na sociedade global.
Entretanto, até agora você deve estar se perguntando: como a sustentabilidade é implantada no paisagismo? Essa profissão já não é, por si só, sustentável? De acordo com a Engenheira Florestal, especialista em Paisagismo, Diacuy de Mesquista Fialho Crema, de Curitiba (Paraná), "o desenvolvimento sustentável é o que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias prioridades. Dessa forma, surge uma nova maneira de lidar com esse conceito atuando em qualquer profissão. A sustentabilidade é um objetivo a ser alcançado por todo profissional atento às necessidades do mercado", explica.
Diacuy considera o paisagismo como uma excelente oportunidade para empresas que já perceberam o valor dessa nova competência. Muitos itens essenciais para a sustentabilidade passam despercebidos, como materiais e soluções hidráulicas e consumo de energia. Às vezes, é complicado mostrar ao consumidor onde estão as melhorias, na avaliação da Engenheira. "As áreas destinadas ao paisagismo podem revelar ao consumidor a seriedade e o valor que a empresa dá ao assunto", afirma. Assim, é possível estreitar a relação que essa profissão tem com o comprometimento de exalar vida ao planeta.
A ação agrega benefícios visíveis ao meio ambiente. Mas, e para o bolso? Esses projetos podem ser mais onerosos? A especialista explica que alguns itens podem representar um custo significativo. Contudo, ressalta que já existe um público bem informado, que quer investir nesse tipo de paisagismo. "São os condomínios inteiros, proprietários particulares e construtoras que querem agregar valor a seus empreendimentos. Esses estão dispostos a pagar um pouco mais para terem um paisagismo sustentável", pontua. Em contrapartida, nem todos os projetos denotam preço alto. "Algumas ações não implicam nesse aumento de custo, como uso de espécies nativas, cuidado no uso de espécies invasoras e compostagem doméstica", pondera.
A Associação Nacional de Paisagismo (ANP), nesse contexto, criou o "Programa de Paisagismo e Sustentabilidade", na tentativa de conscientizar aquelas empresas que planejam reformas paisagísticas. De acordo com dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (EMPBRAESP), aproximadamente dez capitais - e suas respectivas regiões - terão suas estruturas refeitas entre 2009 e 2012. O mercado formal, que cultiva árvores nativas para projetos paisagísticos, já tem apresentado um excesso de consumo nessa produção, diminuindo a capacidade de atendimento. Para tanto, a criação do programa visa a suspender o extrativismo para a preservação das florestas.
Renováveis ou não, os elementos naturais são suscetíveis a adequação, e a Engenheira declara que as formas de atuar são inúmeras. "Já temos algumas aplicações, mas é um desafio diário descobrir que tipo de impacto pode surgir de nossas intervenções na paisagem", informa.
Diacuy cita algumas alternativas importantes para a concepção de um projeto sustentável de qualidade:


· Conforto e segurança nos espaços de convivência externos;

· Uso de materiais e técnicas duráveis (ciclo completo do produto);

· Uso de Espécies vegetais nativas;

· Aproveitamento de materiais regionais como utilização de insumos;

· Cuidado na utilização de espécies invasoras;

· Utilização de telhados verdes;

· Bom uso de espécies caducas e perenes;

· Uso de materiais permeáveis em pisos;

· Uso de espécies comestíveis (frutas, temperos, chás, etc.);

· Possibilitar uso de compostagem doméstica nos projetos;

· Jardins com custos de manutenção menores;

· Reaproveitamento da água para irrigação de jardins.

FONTE: http://www.auepaisagismo.com/?id=Sustentabilidade-paisagistica:-a-importancia-de-exalar-vida-ao-planeta&in=887

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…