Pular para o conteúdo principal

Espécies de vegetação espontânea consideradas “plantas indicadoras”.


Euphorbia_heterophylla
Amendoim bravo ou leiteira (Euphorbia heterophylla)
Desequilíbrio entre Nitrogênio e micronutrientes, sobretudo Molibdênio e Cobre.

azedinha
Azedinha ou Trevo-azedo (Oxalis articulata)
Terra argilosa, pH baixo, deficiência de Cálcio e de Molibdênio.

barba-de-bode
Barba-de-bode (Aristida pallens)
Solos de baixa fertilidade.

beldroega
Beldroega (Portulaca oleracea)
Solo fértil, não prejudica as lavouras, protege o solo e é planta alimentícia com elevado teor de proteína.

carex-sp
Cabelo-de-porco (Carex sp.)
Compactação e pouco Cálcio.

capim-amargoso
Capim-amargoso ou capim-açu (Digitaria insularis)
Aparece em lavouras abandonadas ou em pastagens úmidas, onde a água fica estagnada após as chuvas. Indica solos de baixa fertilidade.

capim-caninha
Capim-caninha ou capim-colorado (Andropogon lateralis)
Solos temporariamente encharcados, periodicamente queimados e com deficiência de Fósforo.

Cenchrus_echinatus
Capim-carrapicho (Cenchrus echinatus)
Indica solos muito decaídos, erodidos e compactados. Desaparece com a recuperação do solo.

capim-papuã
Capim-marmelada ou papuã (Brachiaria plantaginea)
Típico de solos constantemente arados, gradeados e com deficiência de Zinco; desaparece com o plantio de centeio, aveia preta e ervilhaca; diminui com a permanência da própria palhada sobre a superfície do solo; regride com a adubação corretiva de Fósforo e Cálcio e com a reestruturação do solo.

Capim rabo-de-burro (Andropogon sp.)
Típico de terras abandonadas e gastas – indica solos ácidos com baixo teor de Cálcio, impermeável entre 60 e 120 cm de profundidade.

carrapicho
Capim amoroso ou carrapicho (Cenchrus spp.)
Solo empobrecido e muito duro, deficiência de Cálcio.

Caraguatá (Erygium ciliatum)
Húmus ácido, desaparece com a calagem e rotação de culturas; freqüente em solos onde se praticam queimadas.

carqueja
Carqueja (Bacharis articulata)
Pobreza do solo, compactação superficial, prefere solos com água estagnada na estação chuvosa.

carrapicho-de-carneiro
Carrapicho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum)
Deficiência de Cálcio.

Equisetum_sp
Cavalinha (Equisetum sp.)
Indica solo com nível de acidez de médio a elevado.

Chirca (Eupatorium bunifolium)
Aparece nos solos ricos em Molibdênio.

dente-de-leao
Dente-de-leão (Taraxacum officinale)
Indica solo fértil.

Grama-seda (Cynodon dactylon)
Indica solo muito compactado.

sida-sp
Guanxuma (Sida sp.)
Solo compactado ou superficialmente erodido. Em solo fértil fica viçosa; em solo pobre fica pequena.

lingua-de-vaca
Língua-de-vaca (Rumex obtusifolius)
Solos compactados e úmidos. Ocorre freqüentemente após lavouras mecanizadas e em solos muito expostos ao pisoteio do gado.

maria-mole
Maria-mole (Senecio brasiliensis)
Solo adensado (40 a 120 cm). Regride com a aplicação de potássio e em áreas subsoladas.

Mio-mio (Baccharis coridifolia)
Ocorre em solos rasos e firmes, indica deficiência de Molibdênio.

raphanus_raphanistrum
Nabo (Raphanus raphanistrum)
Deficiência de Boro e Magnésio.

picao-preto
Picão preto (Galinsoga parviflora)
Solo com excesso de Nitrogênio e deficiente em micronutrientes, principalmente Cobre.

samambaia
Samambaia (Pteridium aquilinium)
Alto teor de alumínio. Sua presença reduz com a calagem. As queimadas fazem voltar o alumínio ao solo e proporcionam em retorno vigoroso da samambaia.

Sapé (Imperata exaltata)
Indica solos ácidos, adensados e temporariamente encharcados. Ocorre também em solos deficientes em Magnésio.

tansagem
Tansagem (Plantago maior)
Solos com pouca aeração, compactados ou adensados.

tiririca(1)
Tiririca (Cyperus rotundus)
Solos ácidos, adensados, anaeróbicos, com carência de Magnésio.

urtiga
Urtiga (Urtica urens)
Excesso de Nitrogênio (matéria orgânica). Deficiência de Cobre.


Fonte : http://teiaorganica.com.br/blog/ervas-daninhas-nao-plantas-indicadoras/

Comentários

  1. Olá Rodrigo achei seu blog pois estava procurando algo sobre a rosa do deserto; adorei os comentários e dicas por lá...
    Então resolvi passear pelos posts muito bacana...
    Por aqui quando se planta sempre damos uma olhada qual é a planta que esta predominando este post é de grande valia boas as
    informações. Obrigada.
    Prazer em conhecer.
    janicce.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Pela visita e pelos elogios.

    Att.

    Rodrigo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…