Pular para o conteúdo principal

Horta – Como preparar suas próprias mudas

Se você pretende fazer sua horta, é importante saber como preparar as diferentes variedades de plantas hortícolas que temos à disposição. Existem variedades que se beneficiam com o transplante, como é o caso das alfaces, couve, couve-flor, tomates, etc. Outras são indiferentes ao transplante, como o caso das rúculas, almeirões e beterrabas. E finalmente, existem aquelas que não toleram o transplante, como as cenouras.
De modo geral, quase todas podem ser plantadas diretamente no local definitivo. Só que neste caso, principalmente quando temos pouco espaço, seu canteiro ficará ocupado por muito tempo. Então o ideal será fazer sementeiras, que nada mais são que locais onde as sementes irão germinar, transformar-se em mudas e então sim, serão transplantadas para o local definitivo.

O sombrite protegerá suas mudas do sol forte. A tela metálica é útil para proteger de passarinhos interessados nas suas sementes e até mesmo da bagunça que animais de estimação possam causar.
Como sementeira, podemos usar bandejas ou copinhos de papel. Esta sementeira deverá estar em local protegido das chuvas e do forte sol dos meses de verão. Para proteger das chuvas, podemos usar filme plástico, e para proteger do sol forte, o sombrite. A combinação destas duas proteções também pode ser realizada. A cobertura plástica, além de proteger das chuvas, também ajuda a aquecer o ambiente no inverno e a manter a umidade do substrato. Quando as mudinhas estiverem perto do ponto de transplante, deverão ser gradativamente adaptadas ao pleno sol, para não se ressentirem durante transplante.
Uma das principais vantagens de uma boa sementeira é o curto tempo em que o canteiro ficará ocupado. No caso de alfaces, almeirão e rúcula, você poderá fazer uma colheita com menos de um mês. No caso das couves, a colheita poderá se extender por um longo tempo, já que colhemos só as folhas desenvolvidas. O mesmo acontece com os almeirões, cebolinha, salsa e outros.
Temos também aquelas que não aceitam o transplante. Neste caso, as sementes deverão ser sempre semeadas no local definitivo. Como exemplo, além da cenoura, temos também os nabos e rabanetes. Estas hortaliças quando transplantadas, não desenvolvem as raízes. A excessão fica por conta da beterraba, única hortaliça de raiz, que mesmo sendo transplantada com a raiz nua, desenvolve-se normalmente.

Se o chuchu for enterrado, corre o risco de apodrecer antes de enraizar.
Depois temos os frutos que são usados como “sementes”. É o caso do chuchu. Deita-se a fruta sobre substrato fresco e úmido, aguarda-se o enraizamento e planta-se o fruto no local definitivo.
Podemos citar também os bulbos, como o alho por exemplo. Prepara-se o canteiro e enterram-se os “dentes” de alho. Esta é uma maneira de obter as cabeças de forma mais rápida. O alho também pode ser plantado de semente, assim como a cebola. Também podemos utilizar cebolas pequenas para produzir cebolas grandes, da mesma forma que os dentes de alho.
E temos ainda as estacas, que é uma forma rápida de conseguir uma muda quase produzindo. Como exemplo de estacas, podemos citar o próprio tomate, onde alguns tomaticultores usam as pontas (estacas ponteiro) para enraizar e formar um novo tomatal. Muitas plantas medicinais e ervas aromáticas podem ser obtidas através de estacas também, como o alecrim, o manjericão e a erva cedreira.

Mudas de tomateiros viçosos
A aquisição de sementes deverá ser através de empresas idôneas, ou então você poderá produzir suas próprias sementes. É o caso das pimentas, tomates, espinafre, almeirão (principalmente o roxo), ou seja, plantas que formam frutos e sementes com facilidade. Em muitas verduras, após a floração, observa-se que no pendão floral se formarão as sementes, que deverão ser colhidas e guardadas para novos plantios. Enfim, existem diversos tipos de sementes que poderão ser colhidas e guardadas para posterior plantio. Você pode armazenar as sementes em saquinhos plásticos, bem apertados, amarrados, identificados e guardados na parte mais baixa da geladeira. Desta forma, suas sementes manterão o poder germinativo durante bastante tempo. Este tempo vai variar entre cada espécie mas, de modo geral, a durabilidade das sementes varia de 6 meses a 1 ano.
FONTE:http://www.jardineiro.net/jardinagem/como-preparar-suas-proprias-mudas.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…