Pular para o conteúdo principal

Frutíferas ornamentais no Paisagismo

O Uso de árvores e arbustos frutíferos no paisagismo é muito utilizado, devido a resistência e baixa manutenção bem como a produção de frutas em determinados períodos do ano.

Porém é importante ressaltar que árvores de grande porte devem ser evitadas na arborização urbana, devido frutos quando maduros poderem atingir pessoas e carros em locais públicos, gerando grandes problemas e poderá ocasionar a retirada das mesmas. 






No caso da Jaca, o seu uso é indicado em praças, parques, evitando a utilização em ruas, poise seus frutos são demasiadamente grandes. Exemplos são: Goiaba, Jabuticaba, Manga, dentre muitas outras de porte médio são apropriados em diferentes ambientes, tomando sempre o cuidado de manter podas para evitar que a árvore atinja alturas elevadas e se encontrem com fiação elétrica ou cause outros prejuízos. Seja moderado, e utilize as frutíferas ornamentais com as ornamentais pois tornará grandioso seu projeto, fazendo um mesclado de opções.

Foto: Guilherme Motta
Nome científico: Cocos nucifera L.
Nome-popular: Coco, Coqueiro, Coco-da-Bahia


A Palmeira mais utilizada no paisagismo dentre as frutíferas é o Cocos nucifera (Coco-da-Bahia), devido sua beleza, e produção de frutos. Porém seu uso em projetos deve ser bem realizado, pois devido ao peso dos frutos pode amassar carros e causar acidentes a pessoas. O uso em regiões litorâneas é bem apreciado.

Foto: Guilherme Motta
Nome científico: Citrus sinensis (L.) Osbeck
Nome-popular: Laranja, laranjeira


Em relação aos arbustos sua utilização é mais propícia em pequenos pomares e jardins, devido a facilidade de colheita.
Aumentando assim a interação verde-ambiente, pois com frutíferas em seu jardim, pequenos animais virão em busca de alimento, como belos passáros.

Foto: Guilherme Motta
Nome científico: Punica granatum L.
Nome-popular: Romã


Nada como abusar das frutas neste verão, melhor ainda quando ao nosso alcance.

Foto: Guilherme Motta
Nome científico: Prunus persica (L.) Stokes
Nome-popular: Pessêgo, pessegeiro


Que Tal ter um jardim desses em casa ?


Fonte:http://www.auepaisagismo.com/?in=1162


 
 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…