Pular para o conteúdo principal

Casca de banana pode despoluir a água.




Esnobada por indústrias, restaurantes e até donas de casa, a casca de
banana pode em breve dar a volta por cima. Descobriu-se que, a partir
de um pó feito com ela, é possível descontaminar a água com metais
pesados de um jeito eficaz e barato.

O projeto é de Milena Boniolo, doutoranda em química pela Ufscar
(Universidade Federal de São Carlos, no interior paulista), que teve a
ideia ao assistir a uma reportagem sobre o desperdício de banana no
Brasil.

Só na Grande São Paulo, quase quatro toneladas de cascas de banana
são desperdiçadas por semana. E isso é apenas nos restaurantes, diz a
pesquisadora.
Boniolo já trabalhava com estratégias de despoluição da água, mas eram
métodos caros -como as nanopartículas magnéticas- o que
inviabilizava o uso em pequenas indústrias.
Com as cascas de banana, não há esse problema. Como o produto tem
pouquíssimo interesse comercial, já existem empresas dispostas a
simplesmente doá-las.

MASSA CRÍTICA
Como o volume de sobras de banana é muito grande, as empresas têm
gastos para descartar adequadamente esse material. Isso é um incentivo
para que elas participem das pesquisas, afirma.
O método de despoluição se aproveita de um dos princípios básicos da
química: os opostos se atraem.
Na casca da banana, há grande quantidade de moléculas carregadas
negativamente. Elas conseguem atrair os metais pesados, positivamente
carregados.
Para que isso aconteça, no entanto, é preciso potencializar essas
propriedades na banana. Isso é feito de forma bastante simples e quase
sem gastos de energia.
Eu comecei fazendo em casa. É realmente muito fácil, diz Boniolo.
As cascas de banana são colocadas em assadeiras e ficam secando ao sol
durante quase uma semana. Esse material é então triturado e, depois,
passa por uma peneira especial. Isso garante que as partículas sejam
uniformes.
O resultado é um pó finíssimo, que é adicionado à água contaminada.
Para cada 100 ml a serem despoluídos, usa-se cerca de 5 mg do pó de
banana.
Em laboratório, o índice de descontaminação foi de no mínimo 65% a
cada vez que a água passava pelo processo. Ou seja: se for colocado em
prática repetidas vezes, é possível chegar a níveis altos de
limpeza.
O projeto, que foi apresentado na dissertação de mestrado da
pesquisadora no Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares),
foi pensado com urânio.
Mas, segundo Boniolo, é eficaz também com outros metais, como cádmio,
chumbo e níquel-muito usados na indústria. Além de convites para
apresentar a ideia no Brasil e na Inglaterra, a química também ganhou
o Prêmio Jovem Cientista.
Agora, segundo ela, é preciso encontrar parceiros para viabilizar o
uso da técnica em escala industrial.


FONTE:http://www.paisagismodigital.com/noticias/?id=Meio-ambiente:-Casca-de-banana-pode-despoluir-a-água?in=185

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…