Pular para o conteúdo principal

PORTULACÁRIA


Cultivada por Rodrigo Sanchez.
Localização:
A Portulacária requer sol directo sobretudo no Inverno quando as temperaturas baixam vários graus centígrados. Precisa de ambientes secos e quentes, sempre acima dos 5ºC. Pode viver no interior podendo ser colocada no exterior na época favorável do ano. Não suporta lugares fechados onde se acumule demasiada humidade. Como planta de exterior necessita de bastante ventilação no Verão e de locais com bastante exposição solar, facilitando assim o seu rápido e denso crescimento que lhe é característico.

Rega:
A rega deve ser moderada ou mesmo escassa, motivo pelo que à que evitar o encharcamento do solo, resultando imprescindível reduzir as regas ao mínimo em regiões de Invernos frios. No Verão, embora falte suporte a falta de água é conveniente não deixar secar a mistura completamente.

Solo:
O solo deve ser poroso e ligeiro, com boa capacidade de drenagem. Para consegui-lo convém misturar ao composto de origem vegetal areia do rio (sílica) ou rocha vulcânica.

Fertilização:
Deve-se utilizar um fertilizante orgânico completo aplicado na rega, não mais do que uma vez por mês no período de maior crescimento (princípio da Primavera a princípios do Outono ) em dose reduzida. No ano em que se realiza o transplante não é necessário facultar grandes suplementos nutricionais. No Inverno não deve ser adubada. Aplicar algumas vezes vitaminas sobretudo em períodos pós-transplantes e recuperação de doenças ou pragas.

Transplantes:
O transplante deve ser efectuado a cada dois anos no início da época de crescimento, com poda das raízes e respectiva compensação na poda aérea.

Poda:
Quando a planta dispõe de boas condições de cultivo, os novos brotos alcançam considerável desenvolvimento, sendo preciso podá-los quando atingirem os três ou quatro primeiros nós já que no princípio crescem juntos mas depois distanciam-se longitudinalmente á medida que passa o tempo. Em certas ocasiões podem surgir folhas demasiado grandes (por exemplo por fornecimento de fertilizantes não necessários à planta, quer em quantidade quer em frequência) que convém eliminar, assim como todas aquelas que apresentem alguma ferida ou as que se desenvolvam na base do tronco.
A fim de modificar a silhueta dos exemplares jovens é necessário realizar um poda estrutural no início da Primavera praticando os corte sempre por cima dos nós sem danificá-los.
As técnicas de aramamento deverão evitar-se já que se conseguem bons resultados apenas com a poda sucessiva de ramos. As ramificações mais jovens são semelhantes aos cactos pelo que são bastantes quebradiças por não lenhificarem e uma tentativa de aramamento fará também com que as folhas quebrem com muita facilidade.

Propagação:
Consegue-se propagar com bastante facilidade através de estacas de ramos jovens ou até de ramos mais velhos.

Pragas e Doenças:
A Portulacaria oferece grande resistência a ataques de organismos patogénicos. Pode sofrer ataques especialmente de sugadores de seiva, como pulgões e cochinilha algodonosa em ambientes demasiado húmidos e sombrios, assim como o apodrecimento da base do tronco e das folhas quando se dão essas incorrectas condições de cultivo.

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…