Pular para o conteúdo principal

Aprenda a cultivar árvores frutíferas em vasos

Seja para decoração da casa ou o contato direto com a natureza, degustação e apreciação, as árvores frutíferas plantadas em vaso são criadas por um grande número de moradores que não dispensam um jardim ou horta em seu dia a dia.





As miniárvores são delicadas e produzem frutos tão saborosos quanto os de uma árvore de tamanho convencional. As espécies dependem apenas de pequenas adaptações na varanda – ou em qualquer outro espaço de sua escolha. Em áreas um pouco maiores é possível até cultivar um mini pomar.
Para a implantação perfeita de uma miniárvore, a indicação é que o vaso tenha 80 cm de largura por 85 cm de profundidade. Para que a plantação não seja prejudicada, é indispensável impermeabilizar o vaso; lembrando que a terra não pode ser dura ou empedrada. O melhor a fazer é inserir pedrinhas e uma camada de argila ou argila expandida para a drenagem da água, o que contribui para saúde e desenvolvimento da raiz.
Alguns cuidados especiais na adubação fazem toda a diferença no resultado final do seu plantio. Os adubos com liberação lenta, ricos em fósforo, duram até três meses e são os mais indicados para as árvores frutíferas, e a inserção de terra vegetal e húmus de minhoca também auxilia. A rega é outro ponto primordial e precisa ser realizada três vezes durante a semana em quantidade razoável, sem deixar a terra encharcada. As mudas precisam de iluminação solar, e o mínimo indicado é de quatro horas ao dia. As espécies preferidas para cultivo são: acerola, pitanga, romã, jabuticaba, pêssego, limão siciliano, mirtilo, amora e cajá-manga.



Agora vamos ao passo a passo para o plantio superfácil de uma árvore frutífera em vaso. Acompanhe:
Material:
- 1 muda de árvore frutífera ;
- Argila expandida;
- Terra vegetal;
- Cascalho pequeno;
- Vaso de terracota (seu tamanho deve ser proporcional ao tamanho da muda);
- Manta drenante;
- Pá.
Importante: a quantidade de terra, argila e cascalho vão depender do tamanho da muda e do vaso, mas a recomendação é comprar um saco de cada para futuras manutenções.
1º PASSO:
Coloque a manta drenante no fundo do vaso para a terra não escapar pelo dreno e também para permitir que a planta respire.
2º PASSO:
Cubra a manta drenante com a argila expandida. O recomendado é uma camada de cerca de cinco centímetros.
3º PASSO:
Sobre a argila expandida, coloque mais um pedaço da manta drenante.
4º PASSO:
Coloque uma camada de terra para que a raiz da muda fique na altura correta (o topo da muda, onde começa o caule, deve ficar a mais ou menos três centímetros da borda do vaso).
5º PASSO:
Remova cuidadosamente o plástico que envolve o torrão. Ele precisa ser mantido íntegro para que a raiz não seja prejudicada, o que pode atrapalhar o desenvolvimento da árvore.
6º PASSO:
Centralize a planta no vaso.
7º PASSO:
Complete os espaços com mais terra, mas não ultrapasse o colo do torrão, que é a região de transição entre o tronco e a raiz da planta.
8º PASSO:
Compacte a terra com as mãos até que a superfície fique uniforme.
9º PASSO:
Espalhe o cascalho ao redor da planta para fazer o acabamento.
10º PASSO:
Faça a primeira rega. Esta deve ser abundante para retirar as bolhas de ar e assentar o torrão.

Comentários

  1. Olá, Parabéns pelos artigos, eles tornaram o Blog excelente!!!
    Somos da Gramas Pardim uma empresa que produz, comercializa e aplica Grama Natural de altíssima qualidade nos mais diversos segmentos e regiões do Brasil.
    Visite nosso site e confira os Tipos de Grama que trabalhamos:
    Grama Esmeralda
    Grama Bermudas
    Grama São Carlos
    Grama Batatais
    Grama Santo Agostinho
    Grama Coreana

    Fornecemos para todo o Brasil, solicite-nos um orçamento para sua cidade e obtenha o melhor Preço de Grama do mercado, entre tantos municípios distribuímos:
    Grama em São Paulo SP
    Grama em Campinas SP
    Grama em Guarulhos SP
    Grama em Ribeirão Preto SP
    Grama em Belo Horizonte MG
    Grama em Rio de Janeiro RJ
    Confira !!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…