Pular para o conteúdo principal

Um jardim feito com plantas resistentes de pouca manutenção


Um palete resgatado da rua foi o pontapé inicial para a designer de interiores argentina Felicitas Piñeiro criar um jardim em seu apê em São Paulo. “Escolhi as plantas pela beleza, porém elas se revelaram extremamente frágeis”, conta. Disposta a recomeçar, ela pediu ajuda à especialista em jardinagem Regina Bichuetti, membro do júri de exposições do São Paulo Garden Club, que sugeriu uma composição com cactos, suculentas e outras variedades pouco exigentes. Agora, é esperar pelas próximas férias para conferir o
 resultado.


O arranjo inclui diversas suculentas, a exemplo de (1) folha-da-fortuna (Kalanchoe pinnata), (2) rosa-do-deserto (Adenium obesum) e (3) planta-jade (Crassula argentea); alguns cactos, como (4) flor-e-maio (Schlumbergera truncata) e (5) cereus (Cereus hexagonus); e ainda uma (6) espada-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata) e duas (7) clúsias (Clusia fluminensis).




- As espécies reunidas têm um denominador comum: dispensam a rega frequente. “Sob temperaturas amenas, cactos e suculentas podem resistir até um mês sem água”, afirma Regina. De modo geral, porém, molhe-os uma vez por semana e, se o ar estiver seco, duas.
- Um erro comum de quem vai viajar é encharcar os vasos. Além de ineficaz, essa ação pode levar ao apodrecimento das raízes, segundo a especialista, que propõe outras medidas: “O ideal é pedir a alguém que cuide de suas plantas. Caso não seja possível, duas semanas antes de partir, suspenda a adubação. Desse modo, elas crescerão menos e, consequentemente, necessitarão de menos água.”

Mesmo instalado embaixo da janela, o canteiro de Felicitas só recebe luz indireta. Por isso, outro cuidado foi eleger apenas espécies que se adaptam bem à meia-sombra. - Os vasos de terracota ganharam manta bidim e cacos de telha para drenagem. Em seguida, receberam terra vegetal com um pouco de areia e húmus de minhoca.

FONTE: http://casa.abril.com.br/materia/um-jardim-feito-com-plantas-resistentes-e-pouca-manutencao?utm_source=redesabril_casas&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_minhacasa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…