Pular para o conteúdo principal

Paquinha

                  As paquinhas são insetos da mesma ordem dos grilos e gafanhotos. O curioso, é que as patas que são super adaptadas para saltar nestes insetos, são modificadas para cavar nas paquinhas. As patas dianteiras são chamadas fossoriais, e são como pás, as do meio são adaptadas para a andar e as posteriores permanecem com a função de saltar, porém o salto é bastante raro nas paquinhas. Elas são musculosas e cavadoras super eficientes. Seu corpo é alongado, alcançando de 3 a 5 cm de comprimento. Ele é também robusto e de cor marrom a acinzentada, recoberto com pelos castanhos. As asas são do tipo tégmina e alcançam metade do abdomen. Possui longas antenas.
                 

                        As paquinhas escavam túneis logo abaixo da superfície do solo e criam câmaras, onde depositam cerca de seus ovos. Uma fêmea é capaz de produzir cerca de 200 ovos, distribuídos em 3 ou 4 câmaras, do tamanho de um ovo de galinha. As paquinhas tem hábito noturno, quando podem sair para se alimentar. Elas se alimentam de matéria orgânica, o que inclui outros insetos, raízes e pequenas brotações. no entanto o maior dano que elas podem causar ao gramado diz respeito aos túneis que cavam. Estes túneis acabam expondo e fragilizando as raízes do gramado que passa a secar e morrer em áreas circunscritas. As plantas novas, por não terem um sistema radicular bem desenvolvido ainda, são as mais afetadas.
Ao contrário do que muitos podem pensar, os grilotalpas são inofensivos e nada peçonhentos. Ao pegá-los na mão, não se assuste, os pequenos beliscões que ele dá na pele são a tentativa de cavar para se esconder.
A prevenção da infestação, consiste em melhorar a drenagem ou reduzir as regas do jardim durante a primavera. Assim as fêmeas do inseto tendem a migrar a outros locais para desovar, em busca de umidade. Para controlar a paquinha em jardins residenciais, podemos encharcar o terreno infestado com uma solução de água e detergente comum ou sabão. Esta medida deve ser tomada à tardinha ou à noite, pois a aplicação da solução sob o sol pode prejudicar as plantas. Se a infestação for muito grande, com muitas paquinhas saindo dos buracos, após a aplicação da solução, deve-se lançar mão de inseticidas para reduzir o problema.
Em gramados muito extensos, como em campos de golfe, é possível tentar o controle biológico, com nematóides parasitários, como o Steinernema scapterisci e S. riobravos. No entanto, observa-se que em áreas de alta manutenção, com gramados irrigados e bem cuidados, o controle é menos efetivo e duradouro do que em áreas de baixa manutenção.

Fonte : http://www.jardineiro.net/pragas/paquinha.html

Fonte foto : http://www.insetologia.com.br/2012/10/paquinha.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você Sabe cuidar da sua Rosa do Deserto?

Aqui vão algumas dicas para que ela esteja sempre bonita:



A Rosa do Deserto é uma planta domestiscada cujo nome científico é Ademium obesum, ela necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então adotar o método de mudas.

Modo de Cuidar:

A planta gosta de clima quente, seco e sol (a rosa precisa de muito sol para florecer);

Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar (não é necessario regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar, não encharque mas regue regularmente, uma vez a cada três dias é o necessário);

É importante não deixar a água acumular em baixo do vaso. Adubar a planta a cada dois meses ( qualquer adubo orgânico para flores).



Preparação do Vaso:

No novo vaso, ( não tão maior que o atual, os vasos tem que ser trocados, porém o tamanho não pode ser muito diferente , deve-se aumentar o tamanho gradativamente). Coloque no fundo pedras, coloque uma manta de bedim para que as raizes não cheguem a sair do vaso, dai cubra…

Limão - Rosa.

Nome da fruta: Limão-cravo

Nome científico: Citrus bigaradia Loisel.
Família botânica: Rutaceae
Características da planta: Árvore de pequeno porte, chegando a cerca de 5 metros de altura, copa arredondada. Folhas de coloração verde intenso e pecíolo alargado, fortemente aromáticas quando maceradas. Flores pequenas, alvas, aromáticas e melíferas. Fruto: Tipo esperídio, globoso, ligeiramente achatado, casca de coloração verde-amarelada, amarela ou amarelo-avermelhada na maturação. Polpa ácida, amarga, envolvendo muitas sementes. Frutificação: Inverno Propagação: Enxertia


                        Dentre os cítricos, não há árvore mais resistente do que a do limão-cravo. Não foi à toa, portanto, que ela difundiu-se com mais facilidade e velocidade por todos os recantos da América, assim que a família dos frutos cítricos foi trazida da Europa. Agora, quase não há rincão, quintal ou km silvestre deste continente em que não haja – ou em que não tenha havido um dia – pelo menos um …

Fruta do Conde

Introdução:

A ata pertence à família Annonaceae, gênero Annona, que inclui em torno de 120 gêneros e por volta de 2000 espécies. A espécie Annona squamosa produz frutos delicados, considerados dos melhores do gênero. A ata é também conhecida como pinha e fruta-do-conde no Brasil, anona blanca, sweetsop, anon, anona, rinon, atta del Brasil, srikaya, atis, etc.. 


De acordo com Braga (1960), a ateira é uma planta americana, talvez originária das Antilhas e regiões circunvizinhas. As Anonáceas são fruteiras tipicamente de clima tropical, apresentam boas perspectivas econômicas para a região Nordeste do Brasil, por serem culturas altamente adaptadas às condições locais e produzirem frutos a partir do mês de janeiro, suprindo parte da capacidade ociosa da indústria de suco de caju. 


Apesar de não se dispor de dados estatísticos, é notória a demanda crescente, tanto no mercado interno, como no externo pelos frutos de Annona squamosa L. Esse incremento na procura motivou os fruticultores e empre…