quarta-feira, 2 de maio de 2012

Chia.

                     A chia (Salvia hispanica L.) é uma pequena semente de forma oval (2 mm de comprimento) e é um super-alimento antiquíssimo de cor acastanhada clara e oriunda da Colômbia e México, onde a sua composição especial e as suas propriedades benéficas para a condição física foram detectadas já há centenas de anos. Durante séculos as sementes nutritivas da chia formaram o alimento base dos Índios indígenas do sudoeste da América.


                    Chia é a palavra Maia para designar força. As sementes eram utilizadas por estas culturas como alimento de mega-energia. Os mexicanos costumam dizer que uma colher das sementes é o suficiente para sustentar uma pessoa por 24 horas. E isto tudo porque elas possuem cinco vezes mais cálcio que o leite, duas vezes mais potássio que as bananas, três vezes mais anti-oxidantes que as famosas uvas-do-monte, três vezes mais ferro que o espinafre. São uma fonte de proteína completa, fornecendo todos os aminoácidos essenciais de que precisamos. São também mais ricas em fibras do que a aveia e contêm mais ómega 3 que a linhaça.
                      Hoje em dia, estudos científicos provam que a chia proporciona grande número de nutrientes interessantes, de tal modo que esta semente mágica é momentaneamente redescoberta pelos nutricionistas e está ganhando rapidamente uma enorme popularidade, quer seja na alimentação humana ou na dos animais. Actualmente a chia é cultivada para fins comerciais no México, Argentina, Bolívia, Peru e Colômbia.
A composição da chia pode ser comparada com a de outras sementes mucilaginosas como a linhaça e o psílio. Ao contrário da linhaça, a chia não contém factores anti-nutricionais, factores que no caso da linhaça limitam a sua utilização sem tratamento de calor preliminar. Factores anti-nutricionais são os glicósidos cianogénicos ou linatina, que são antagonistas da vitamina B6, o que na realidade quer dizer que impedem a vitamina B6 de actuar no metabolismo. Além disso, a chia tem um sabor muito mais agradável do que a linhaça de tal modo que os pássaros a ingerem com mais apetite.
                     A chia contém não menos do que 23 % de ácidos gordos poli insaturados, dos quais 18 % sob forma de ácido linoleico. Com isso é a semente com o mais alto teor de ácidos gordos ómega-3 no mundo vegetal. Os ácidos gordos omega-3 são ácidos gordos absolutamente indispensáveis para o Homem e para os animais; entre outros aumentam a resistência contra doenças e têm propriedades anti inflamatórias. Além disso o óleo da chia é rico em antioxidantes naturais (e.o. ácido clorogénico e ácido cafeico). Assim, o óleo da chia tem uma forte actividade antioxidante e impede a oxidação das gorduras (= ranço). Isto explica a razão pela qual os ácidos gordos omega-3 administrados através da chia são extremamente estáveis e podem ser conservados durante muito tempo, contrastando com o que se passa com a maior parte das outras fontes de ómega-3.
                A chia pertence, exactamente como o psílio e a linhaça, às sementes mucilaginosas. Estas sementes são de facto ricas em mucopolis-sacarídeos e constituem uma excelente fonte de fibras alimentares solúveis e insolúveis. São os mucopolissacarídeos solúveis que formam um gel mucoso incolor à superfície das sementes, quando entram em contacto com a água. Quando se mete um punhado de sementes de chia num copo de água, constata-se que após alguns minutos o copo está cheio com um tipo de gel pectinoso. Estas mucilagens são benéficas para os intestinos. Em primeiro lugar podem fixar até 12 vezes o seu peso em água, o que faz que melhorem a qualidade e a consistência das fezes em caso de diarreia. Além disso estes mucopolissacarídeos constituem também uma camada de mucilagem na parede intestinal de tal modo que as bactérias patogénicas são travadas nos seus efeitos danificadores e que as mucosas do intestino possam recuperar mais depressa.
A chia é também uma boa fonte de proteínas de alta qualidade com um excelente padrão de aminoácidos. Também é rica em minerais (e.o. 0,65 % de cálcio, um valor muito mais alto do que na maior parte das outras sementes).
As sementes de Salvia hispanica germinam normalmente em 10 a 14 dias. Precisam de luz para germinar (coloque-as na superfície sem enterrar). Se recomenda o uso de GA3 para obter uma germinação mais uniforme.
Use substrato ou solo fino, leve e bem arejado. Temperatura ideal 20-25°C.
El transplante ao lugar definitivo, de preferência com bastante sol, pode ser feito quando as plantinhas tem entre 7 a 10 cm.
As plantas podem ser cultivadas em vasos, já que alcançam uma altura de 1 metro unicamente.
A Salvia hispanica é uma planta anual que cresce ate 1 m. Suporta frio intenso. Suas flores são hermafroditas (tem órgãos tanto masculinos e femininos).
A planta prefere solos leves a médios e exige terrenos bem drenados. Não e exigente em matéria de solos, mas não pode crescer na sombra, ele exige terra mais seca do que muito úmida.

Fonte: http://manuaisdecultivo-plantamundo.blogspot.com.br/2010/03/chia-salvia-hispanica.html

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário